Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Discurso de Moro traça caminho promissor para unir terceira via; leia análise

Em seu discurso de filiação ao Podemos, Moro reafirma o compromisso com a responsabilidade fiscal para o País sair da armadilha dos aumentos de risco, inflação e juros

Maria Cristina Pinotti*, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2021 | 15h56

Partindo de um diagnóstico preciso sobre a situação institucional, social e econômica do País, Sergio Moro, em seu discurso de filiação ao Podemos, faz uma síntese interessante de propostas tradicionalmente caras à direita e à esquerda, pavimentando um caminho promissor para a aglutinação de forças da terceira via em torno de um projeto para tirar o Brasil do círculo vicioso de estagnação econômica, pobreza e desigualdade.

Junto com a defesa das reformas prioritárias, como a tributária, a privatização, a abertura da economia, necessárias para aumentar a eficiência, enfatiza a premência de um programa nacional de erradicação da pobreza absoluta e de melhoria na qualidade da educação. Reafirma, em boa hora, a necessidade do compromisso com a responsabilidade fiscal para sairmos da armadilha dos aumentos de risco, inflação e juros.

Corretamente aponta que as reformas necessárias, e que são conhecidas há anos, empacam no Congresso, ou de lá saem mutiladas, por ferirem interesses de grupos ou indivíduos, sem que o interesse público seja levado em conta. A captura dos Poderes ocorre através de corrupção, protegida pela morosidade e ineficiência da justiça brasileira em coibir tais práticas. O fim da reeleição para cargos do Executivo, a volta da possibilidade de execução das penas a partir da segunda instância e o fim do foro privilegiado fazem parte das propostas defendidas por Moro.

A história mostra que a qualidade das instituições determina o grau de desenvolvimento – e de corrupção – dos países. Ao apontar para esse fato, reconhecido na maior parte do mundo desenvolvido, Moro traz ao debate um assunto crucial. De tanto se disfarçar a corrupção através de eufemismos, e de tanta complacência com o “jeito brasileiro de fazer política”, estamos incentivando a convivência com a corrupção. Sem ética na vida privada e na vida pública não haverá futuro para o Brasil, apenas uma contínua volta ao passado.

*Economista e coautora de Corrupção: Lava Jato e Mãos Limpas (Portfolio Penguin, 2019)   

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.