Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Dividido por apoio a Bolsonaro, Novo avalia impugnar candidatura de Sabará em SP

Caso será analisado pelo conselho de ética da sigla; candidato à Prefeitura atribuiu medida à ‘insatisfação de um pequeno grupo de pessoas que não aceita opiniões divergentes’

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2020 | 11h48
Atualizado 23 de setembro de 2020 | 19h51

O conselho de ética do diretório nacional do partido Novo vai avaliar a impugnação da candidatura de Filipe Sabará à Prefeitura de São Paulo. O documento foi assinado por Kauan Gonçalves Viscardi, de Santa Catarina, e será avaliado pelo colegiado da legenda, conforme prevê o estatuto. O motivo da contestação, contudo, não foi informado porque o documento é “sigiloso”, segundo o partido.

Procurado pela reportagem, Sabará afirmou, em nota, que “todos os esclarecimentos serão prestados ao conselho de ética do partido dentro do prazo legal”. Ele disse ainda que considera o pedido “totalmente infundado e fruto de insatisfação de um pequeno grupo de pessoas que não aceita opiniões divergentes”.

A iniciativa revela uma divisão interna na legenda entre um grupo mais alinhado com o presidente Jair Bolsonaro, do qual fazem parte o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e parte da bancada de deputados federais, e outro que faz oposição ao Palácio do Planalto. O pedido de impugnação chegou no momento que Sabará é alvo de uma rebelião interna de pré-candidatos a vereador da capital. 

“Esse discurso (do Sabará) próximo ao governo federal me deixa insatisfeita. O Novo não é linha auxiliar do presidente da República. Se o diretório nacional decidir pela impugnação, eu estarei junto com o partido”, disse a candidata a vereadora do Novo Naira Sathiwo. 

Um grupo criado no WhatsApp intitulado ‘Tentando Salvar o Novo’ tem criticado duramente as declarações de Sabará em defesa do presidente Jair Bolsonaro. Na semana passada, o debate interno foi acirrado após o candidato ter dito em um programa de rádio que Paulo Maluf foi o melhor prefeito que a capital paulista já teve. A declaração provocou reações até do fundador do Novo, João Amoêdo, e do deputado estadual Heni Ozi Cukier, que se manifestaram contra a fala no Twitter.

Para Entender

Calendário Estadão

As datas, definições partidárias, candidaturas e a cobertura especial do jornal das campanhas pelo País e nos Estados Unidos

“O partido está fornecendo (aos candidatos a vereador) materiais de campanha com o Filipe, mas eu recusei. Não quero misturar meu nome com o Sabará”, disse Luiz Bucciarelli, que passou no processo seletivo do Novo e tentará uma vaga na Câmara Municipal. Um dossiê apócrifo com acusações contra o pré-candidato à Prefeitura circula nos grupos de WhatsApp do partido.

Ao Estado, o presidente municipal do Novo, Julio Rodrigues, disse que não vê “problemas graves em divergências internas”. Outra candidata a vereadora do Novo, Joanna Douat, disse que o grupo de WhatsApp não foi criado inicialmente para impedir candidatura do Sabará, mas com a intenção de “preservar o partido”.

“O Diretório Municipal, entre tantas decisões inconsistentes, quis nos obrigar a assinar um termo de compromisso aumentando em 50% o número limite de assessores por gabinete (comparado com 2016). Foi só ao longo do processo que foram revelados os escândalos em relação à candidatura do Sabará”, afirmou.

Rodrigues rebateu a acusação e afirmou e disse que os candidatos assinaram um termo de compromisso enviado pelo Departamento de Apoio ao Candidato, órgão vinculado ao diretório nacional, para alinhar a atuação deles com os princípios do partido caso sejam eleitos. Segundo ele, o Novo fez um estudo da estrutura dos gabinetes e propôs redução de 50% da verba de gabinete e do número de assessores, mas Joanna Douat quis um corte maior. 

Sabará também se envolveu em polêmica com Chequer

Na semana passada, Sabará também se envolveu em uma polêmica com o ex-porta-voz do Vem Pra Rua Rogério Chequer, que foi candidato do Novo ao governo paulista em 2018. Na mesma entrevista em que elogiou Maluf, o candidato foi questionado sobre uma declaração contra Chequer feita durante a campanha, na qual o chamou de “oportunista”. 

Para Entender

Veja quem são os candidatos a prefeito de São Paulo nas eleições 2020

Conheça todos os nomes na corrida eleitoral pela Prefeitura de São Paulo, capital paulista

“Nesta 3ª feira, 15 set 2020, Filipe deu entrevista ao @Panico. Ao ser perguntado sobre essa polêmica de 2018, distorceu toda a história”, disse Chequer uma nota interna distribuída aos integrantes do Novo pelo WhatsApp. No mesmo texto, o ex-candidato foi além: “Como mostra o vídeo, Filipe diz agora que “criticou a gestão do Doria, dizendo que era Velha Política”. Verdade. Mas Filipe inventou que, ao criticar a gestão, critiquei também ele, @WilsonPoit e @PauloUebel. Não é verdade”.

O candidato do Novo à Prefeitura de São Paulo, Filipe Sabará, aguarda atualização da página do TSE referente à declaração de bens dos candidatos da disputa municipal com a alteração já enviada à corte eleitoral de sua fortuna. Até esta tarde, figura o valor de R$ 15,6 mil, mas, segundo a assessoria do candidato, por “erro de preenchimento do advogado”, o correto são R$ 5,1 milhões. Assim, ele passa a liderar a lista como o político mais rico do pleito entre os outros sete adversários que já atualizaram o banco de dados do TSE, faltando ainda a declaração do prefeito Bruno Covas (PSDB).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.