Direitos de resposta disparam no 2º turno em SP

Durante a campanha de segundo turno deste ano em São Paulo, a Justiça Eleitoral julgou dez vezes mais pedidos de direito de resposta do que nas eleições municipais de 2004. Até a tarde de ontem, tinham sido julgadas 20 representações com esse intuito, ante apenas duas de todo o segundo turno das eleições passadas. Os números dão uma dimensão do acirramento da disputa na reta final desta campanha.A coligação da candidata Marta Suplicy (PT) entrou com 34 pedidos de direito de resposta, enquanto seu adversário, Gilberto Kassab (DEM), fez 29 representações. A Justiça Eleitoral concedeu 12 direitos de resposta, todos em favor de Kassab - um deles foi deferido parcialmente. O prefeito teve ainda quatro pedidos indeferidos. Dos pedidos feitos pela coligação do PT, apenas quatro foram julgados - todos indeferidos. A totalidade das decisões que favoreceram a candidatura de Kassab se refere à propaganda da campanha de Marta sobre a vida pessoal do adversário. Os juízes Cláudio Luiz Bueno de Godoy e Marco Antonio Martin Vargas, da 1ª Zona Eleitoral, que dividiram a pauta de julgamentos, entenderam que, ao suscitar dúvidas de caráter pessoal sobre o candidato, a propaganda ofende sua honra e foge do propósito de esclarecer o leitor. Há quatro anos, a disputa também envolvia Marta e seu adversário era o atual governador José Serra (PSDB). O único direito de resposta concedido pela Justiça Eleitoral resultou de representação do ex-governador tucano Geraldo Alckmin contra a candidata petista. Marta também pediu direito de resposta contra notícia veiculada pelo jornal ''Folha de S. Paulo'', mas não foi atendida. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.