Felipe Rau/AE
Felipe Rau/AE

Dirceu é fundador do 'esquema pega-ladrão', diz Serra

Tucano também atacou Haddad e disse que petista estaria 'seguindo as lições' do ex-ministro

Gustavo Porto, da Agência Estado

12 de outubro de 2012 | 15h41

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, afirmou nesta sexta-feira, 12, que o ex-deputado federal e ex-ministro da Casa Civil José Dirceu é o fundador no País do "esquema pega-ladrão" e que seu adversário na corrida à Prefeitura, o petista Fernando Haddad, é companheiro e camarada do político condenado por corrupção ativa pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no caso do mensalão. "José Dirceu quando atacado, ataca o outro. Esse é o esquema do pega-ladrão, que ele fundou no Brasil; ele bate carteira, sai correndo e grita: ''pega-ladrão, pega-ladrão''", disse Serra, antes de visita ao Catavento Cultural e Educacional, na região central da capital paulista.

"O Haddad apenas está seguindo as lições de Dirceu, de quem é companheiro e camarada e a quem defende e considera inocente", atacou o tucano. "Haddad está virando a cada dia um pouco mais do José Dirceu", afirmou o candidato do PSDB. O tucano evitou comentar a pesquisa da última quinta-feira, 11, do Ibope, que o aponta 11 pontos porcentuais atrás de Haddad no segundo turno da eleição paulistana.

Serra criticou, porém, a atuação do adversário no Ministério da Educação (MEC) e citou as investigações no Tribunal de Contas da União (TCU) que apontam indícios de fraude em licitações no sistema de segurança do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). "O que aconteceu com o Enem na gestão do Haddad é uma das maiores calamidades na história da Educação do Brasil. Ele não conseguiu fazer durante três anos o Enem e, além de fracassar rotundamente, há agora licitações viciadas e que são investigadas pelo TCU", disse.

Sobre a inspeção veicular da cidade, o candidato tucano disse que não pretende fazer alterações na cobrança da taxa do serviço, a qual ele considerou necessária. Na avaliação dele, o PT pretende dividir a cobrança da inspeção veicular entre os proprietários de veículos e os cidadãos que utilizam o transporte público. Serra defendeu que a inspeção veicular seja restrita à avaliação dos níveis de poluição dos veículos, e não a todos outros itens avaliados no processo. Ele disse que pretende ampliar os postos de atendimento da inspeção, com abertura desses locais no final de semana, para a redução do tempo de espera.

Serra visitou o Catavento Cultural e Educacional com os netos Gabriela e Antônio e partiu, em seguida, para a paróquia Nossa Senhora de Aparecida, na zona leste de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.