Dirceu cobra foco em Serra em SP e aponta erro do partido

Principal réu do caso do mensalão criticou ataques do PT a partidos rivais

Ricardo Brandt, de O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2012 | 18h39

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu defendeu nesta terça-feira, 11, que o PT em São Paulo não disperse forças com ataques ao candidato do PRB, Celso Russomanno, mas se concentre no embate com José Serra (PSDB). Em um texto publicado em seu site, o principal acusado do processo do mensalão adverte o candidato petista, Fernando Haddad, sobre os rumos da campanha; compara Russomanno a Jânio Quadros, Paulo Maluf, Celso Pitta e Gilberto Kassab e diz que o foco no momento da disputa deve ser ir para o segundo turno.

Com o título "PT tem de se concentrar agora é na disputa com Serra. Russomanno é numa etapa seguinte", Dirceu - que está em sua casa em Vinhedo (SP), desde o início do julgamento do mensalão, no Supremo Tribunal Federal, mas participando da campanha de seu partido -, cita a caminhada feita por Haddad, na entrada da ex-prefeita Marta Suplicy na campanha, na segunda-feira,, no centro de São Paulo.

"A senadora chamou o tucano José de 'rei do embromation' e o candidato petista advertiu que votar em Russomanno é um 'salto no scuro'". O ataque duplo, segundo Dirceu, é um erro já vivido pelo PT, que afasta o eleitor a ser buscado neste momento. "Esse erro primário já foi cometido por razões ideológicas em outras campanhas nossas. Não devemos, não podemos e não temos porque repeti-lo. Nosso alvo nesse momento da disputa é o eleitorado petista e lulista", escreve o ex-ministro. "Temos que alcançar mais que 2/3 desse eleitorado e ir para o 2º turno."

Tratando o crescimento de Russomanno como algo esperado, Dirceu conclama a campanha petista a mirar todas as forças em Serra, para depois pensar no embate com o candidato do PRB. "Nosso foco no momento deve ser, portanto, ir para o 2º turno. Lá é que vamos enfrentar Russomano de fato. Agora, nestas quatro semanas finais de campanha para o 7 de outubro, 1º turno, nossa disputa é com José Serra.Disputar para eliminar suas possibilidades de ir para o 2º turno (28 de outubro)", escreve.

Conservadores e populistas. O ex-ministro José Dirceu não deu entrevistas desde que começou o julgamento do mensalão, em 2 de agosto. Enclausurou-se primeiramente no condomínio em que mora em Vinhedo, mas aos poucos vai voltando à rotina de reuniões e encontros com colegas de partido. Tem usado também a internet para se posicionar e atacar os adversários.

No texto publicado nesta terça, ele avalia o crescimento de Russomanno como "não surpreende" e diz que "Sampa já elegeu quatro prefeitos conservadores e populistas só nos últimos tempos - Jânio Quadros (PTB), Paulo Maluf (PDS), Celso Pitta (PDS) e Gilberto Kassab (DEM-PSDB)".

Para Dirceu, os ataques contra Serra devem ser centrados na sua renúncia da prefeitura, na crítica ao governo Kassab, no "resgate dos governos do PT" de Luiza Erundina (1989-1992) e Marta (2001-2004) e, por último, na apresentação das propostas de governo de Haddad.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.