Dilma volta a atacar Marina Silva sobre propostas para o pré-sal

Dilma volta a atacar Marina Silva sobre propostas para o pré-sal

Petista cutuca rival em corrida pelo Palácio do Planalto e diz que 'tem gente que acha que não é estratégico explorar o petróleo'

Luciana Nunes Leal e Mariana Sallowicz, O Estado de S. Paulo

19 de setembro de 2014 | 19h36


A presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, criticou, mais uma vez, nesta sexta-feira (19), em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, a adversária Marina Silva (PSB), e insinuou que ela não prioriza, no plano de governo, a extração do petróleo do pré-sal. "Tem gente dizendo que não é estratégico explorar o petróleo do pré-sal, mas a quantidade de empregos que vai gerar é muito grande, perto dos locais de produção", discursou para a plateia da cidade, que tem uma forte indústria petroleira.

Dilma reiterou o compromisso de não mudar os contratos já firmados de distribuição de royalties de petróleo. "Os royalties do petróleo são devidos ao Rio porque assim decidimos anos atrás. Os contratos firmados não serão mudados."

Em meio a denúncias de um esquema de desvio de dinheiro na Petrobrás que envolvia empresários e políticos, a presidente prometeu combate à corrupção e punição dos culpados. "Nosso País precisa ter compromisso no combate aos que desviam dinheiro público, contra a corrupção, acabando com a impunidade", discursou ao lado do candidato ao governo Marcelo Crivella, do PRB, senador e ex-ministro da Pesca. "Não é possível que no Brasil tenhamos pessoas que queiram viver com recursos que não são seus, são do povo brasileiro", acrescentou.

No dia seguinte da divulgação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), referente a 2013, que apontou aumento da taxa de desemprego, a presidente exaltou a criação de postos de trabalho durante os governos do PT. Dilma deixou o comício sem dar entrevistas e não comentou os erros da Pnad, apontados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

"Estamos há 12 anos aumentando o emprego", afirmou. Dilma aproveitou para criticar Marina, que defendeu mudanças nas leis trabalhistas. "Não fui eleita para tirar direito de trabalhador, para desempregar, reduzir salários". Apesar disso, admitiu que é preciso melhorar a qualidade do emprego no País.

Duque de Caxias é o terceiro maior colégio eleitoral do Estado, com 608 mil eleitores. Em 2010, Dilma teve 54,4% dos votos, o quinto melhor desempenho da presidente no Estado. Marina Silva, que era candidata do PV e hoje é do PSB, teve 28%.

A presidente é apoiada por quatro candidatos a governador no Rio. Além de Crivella, estão a lado de Dilma na campanha Lindbergh Farias (PT), Anthony Garotinho (PR) e Luiz Fernando Pezão (PMDB). Dilma já veio ao Rio em eventos com os outros candidatos, sendo essa a primeira vez que sobe em um palanque com Crivella. No palanque, a presidente recebeu de crianças autistas uma camiseta da campanha pela conscientização sobre o autismo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.