Dilma tenta unir PT e PSB em Fortaleza

Prefeita Luizianne e governador Cid Gomes não se entendem sobre nome do sucessor na capital

TÂNIA MONTEIRO, ENVIADA ESPECIAL / FORTALEZA, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2012 | 03h06

No papel de bombeira da aliança, a presidente Dilma Rousseff usou ontem sua visita a Fortaleza para tentar cimentar as relações do PT com o PSB local, cuja tensão também se reproduz em outras localidades por conta das eleições municipais deste ano.

Os dois partidos disputam o nome que será o indicado à prefeitura local. Mas, ao contrário do que foi anunciado, o governador Cid Gomes (PSB) e a prefeita petista Luizianne Lins ciceronearam juntos a presidente em todos os cinco eventos.

No almoço, oferecido pelo governador, eles sentaram-se à mesma mesa e, no final do dia, Dilma fez questão de colocar os dois em seu carro. Os três foram "apertadinhos", como disse o governador, no banco de trás. Foi mais um gesto que a presidente fez para mostrar que eles têm de se entender, reiterando os discursos que fizera pela manhã.

Após os eventos, antes de a presidente seguir para o aeroporto, Luizianne e Cid tiraram foto lado a lado, abraçados, tentando mostrar que está tudo bem entre eles.

Saia-justa. Pela manhã, a visita de Dilma ao Ceará começou sob um clima político ruim. Ao chegar a Maracanaú, região metropolitana de Fortaleza, para anunciar investimentos na implantação da linha leste do metrô, a presidente foi recebida sob aplausos. Mas o mesmo tratamento não foi dispensado à prefeita e a Cid Gomes. Maracanaú é governada pelo PR, partido da base aliada, mas que faz oposição à aliança PT-PSB no Ceará.

Luizianne não tinha presença confirmada no evento. Quando chegou, recebeu vaias e até tentou discursar, mas o público não abriu espaço para que ela falasse. Sob forte chuva, a tensão foi maior em relação ao governador Cid Gomes (PSB), que foi recebido por uma plateia que gritava: "ditador, ditador".

Além de estarem em "território inimigo" de uma prefeitura que não os apoia, Luizianne e Cid estão brigados. Há, inclusive, dúvidas sobre a possibilidade de manter a aliança PT-PSB na região para as eleições de outubro. Para neutralizar a tensão entre os aliados, Dilma destacou a importância do trabalho de parceria entre os governos federal, estadual e municipal e elogiou o desempenho de Cid e Luizianne.

"Governar o Brasil não pode ser uma tarefa só da presidente. Eu preciso de parceiros competentes como os que nós temos no Nordeste. O governador Cid Gomes tem sido um dos grandes parceiros do governo federal", disse, emendando a importância da parceria da prefeita.

Dilma criticou o que chamou de "governantes da década de 80" que consideravam "um luxo" a construção de metrôs em regiões metropolitanas. "O Brasil mudou. Não acho que o metrô seja coisa sofisticada para a população como diziam governos da década de 80. É uma realidade que existe em todas as grandes cidades do mundo. É justo e é legítimo que Fortaleza tenha o seu."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.