Dilma se encontra com representantes da comunidade LGBT

Presidente ganha coroa de flores e é parabenizada por discurso de combate à homofobia na semana passada, na abertura da Assembleia-Geral da ONU, em Nova York

Carla Araújo , O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2014 | 21h41

São Paulo - A presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff, recebeu nesta segunda-feira, 29, antes de participar de um comício em Campo Limpo, zona sul de São Paulo, cerca de 20 representantes da comunidade LGBT. Dilma ganhou uma coroa de flores e foi parabenizada pelo seu discurso de combate à homofobia na semana passada na abertura da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York.

A presidente recebeu ainda das mãos de Eleonora Pereira, mãe de Ricardo Pereira, assassinado por homofobia no Recife em 2010, a bandeira gay que o filho dela usou na campanha passada da petista e uma camisa do Instituto Ricardo Pereira, de Pernambuco, que reúne mães que perderam filhos por violência motivada pela homofobia.

Participaram da conversa representantes dos seguintes movimentos: Arte Gay Jovem, Juventude Trans, duas redes de lésbicas (Articulação Brasileira de Lésbicas, ABL, e Liga Brasileira de Lésbicas, LBL), Rede Afro LGBT, Unegro LGBT, Movimento Negro Unificado (também é LGBT) e Associação Brasileira de Gays Lésbica e Trans (ABGLT).

Mais cedo, durante coletiva em São Paulo, Dilma voltou a defender a criminalização da homofobia. "Eu, tanto publicamente quanto pessoalmente, sou contra a homofobia e acho que o Brasil atingiu um patamar de civilidade no qual todos nós não podemos conviver com processos de discriminação que levem à violência", disse. 

Em debate realizado neste domingo, o candidato à Presidência da República Levy Fidelix (PRTB) fez uma série de declarações homofóbicas, o que causou a reação tanto de movimentos quanto de seus adversários (clique aqui para ler).

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesDilma RousseffLGBT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.