Dilma revê rumos após chapa Campos-Marina

A entrada em campo da dupla do PSB Eduardo Campos e Marina Silva levou a pré-campanha presidencial a uma abrupta correção de rumos. Orientada pelo marqueteiro João Santana, a presidente Dilma Rousseff polarizou o debate com Marina e deixou, ao menos por ora, Aécio Neves e Eduardo Campos de lado.

CENÁRIO: Caio Junqueira, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2013 | 02h04

Antes, a ideia era polarizar apenas com Aécio e atrair Campos para a coalizão. No novo desenho, Dilma opta por investir na cizânia dos adversários a partir da apresentação de um cenário em que as candidaturas de Aécio e de Campos não seriam as oficiais, uma vez que permeadas de dúvidas pela incômoda presença de sombras do peso de José Serra no PSDB e da própria Marina.

Pelo Twitter, vendido como o mais novo meio de comunicação com a população, mas que tem servido mais como diapasão eleitoral, Dilma ataca Marina. Em outra frente, seus assessores e correligionários apostam na confusão e insistem na tese de que o cenário e as candidaturas estão indefinidas. A estratégia do governo tem ainda outro objetivo. Ao trazer Marina para o centro do debate, em especial econômico, Dilma quer mostrar que a alternativa a seu notório intervencionismo econômico pode ser uma ex-ministra do Meio Ambiente conhecida por travar investimentos do setor privado por seus potenciais custos ambientais.

Aécio acusou o golpe e corre para se reposicionar. Até então, incentivava a candidatura de Campos para aumentar as chances de 2.º turno. Agora, quer reformular acordos estaduais com o PSB. Tem o claro receio de que a cadeira cativa dos tucanos no segundo turno, existente desde 1994, esteja em outras mãos vinte anos depois.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesDilmaCamposMarinapt

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.