Dilma mede forças com Aécio em Manaus

Faltando menos de uma semana para a realização do 2.º turno, os candidatos à prefeitura de Manaus têm suas campanhas reforçadas por lideranças nacionais de seus respectivos grupos políticos. Em desvantagem nas pesquisas, a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B) conta com a popularidade da presidente Dilma Rousseff, que participaria de um comício na capital amazonense na noite de ontem, para tentar se recuperar.

ALFREDO JUNQUEIRA, ENVIADO ESPECIAL / MANAUS, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2012 | 03h03

Já o tucano Artur Virgílio (PSDB) recebe amanhã o também senador Aécio Neves (PSDB-MG), que, de olho na disputa presidencial de 2014, faz uma espécie de turnê pelas cidades que têm candidatos tucanos ou aliados participando do 2.º turno.

"A presença da presidente Dilma é politicamente muito importante, mas não sei dizer se poderá virar o quadro eleitoral", afirmou Vanessa, horas antes do início do comício. "Quero, da minha parte, mostrar o que nosso grupo político fez aqui na capital e no Estado, e comparar com os resultados das gestões do grupo do meu adversário", disse.

As pesquisas eleitorais divulgadas em Manaus mostram ampla vantagem de Virgílio. Segundo a última sondagem realizada pelo Ibope na semana passada, o candidato tucano tem 68% das intenções de votos ante 32% de Vanessa. Outros institutos locais apontam resultado similar.

Para Virgílio, a visita de Aécio poderá agregar mais força política à sua campanha e também será positiva para as pretensões futuras do senador mineiro.

"A vinda de Aécio será positiva também para ele. Estamos num momento bom. Espero que isso seja benéfico para ele. É uma liderança bem vista aqui em Manaus", disse o candidato tucano, que realizará um comício com a participação do senador amanhã.

O comício com Dilma foi realizado na região do Igarapé do Passarinho, zona norte da cidade, numa das áreas mais carentes da capital amazonense. A presidente, que no 1.º turno limitou-se a gravar um depoimento de apoio a Vanessa, deveria alternar o pedido de votos à candidata com críticas a Virgílio.

A possível vitória do tucano representaria a volta à cena de um dos principais quadros da oposição durante os oito anos do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Caso as pesquisas se confirmem, também saem derrotados da eleição o líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM), principal articulador da candidatura de Vanessa, e o governador Omar Aziz (PSD).

O clima da campanha esquentou nessa reta final de 2.º turno, com a radicalização na troca de acusações entre os candidatos. No domingo, Virgílio acusou sua adversária de ter cometido suposto crime eleitoral por causa da distribuição de material apócrifo contra ele durante evento com lideranças evangélicas. Vanessa negou ter produzido o material.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.