Dilma entra na campanha em setembro, diz candidato

Crescendo nas pesquisas de intenção de voto, o petista Fernando Haddad disse que já é reconhecido nas ruas como o candidato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "As pessoas confiam no Lula, não só porque ele deixou o governo com 80% de aprovação, mas porque legou ao País o mandato de presidente a uma mulher que está surpreendendo, está melhor ainda."

O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2012 | 03h10

Haddad disse que sua primeira agenda externa com Lula, no Sindicato dos Bancários, foi remarcada de 4 para 11 de setembro. O candidato reforçou que também contará com a presença da presidente Dilma Rousseff a partir de setembro e comemorou a entrada da senadora Marta Suplicy na campanha. "Ela gastará sola de sapato comigo pela cidade", disse. "Lógico que vai (fazer diferença). Marta foi uma grande prefeita e lembrada com muito carinho, sobretudo na periferia. Todo mundo lembra do CEU, do Bilhete Único, dos uniformes escolares, do Vai e Volta." O petista rasgou elogios à ex-prefeita por sua transparência e autenticidade. "A Marta é muito transparente. Quando está chateada, está chateada. Essa transparência é uma qualidade incrível."

Haddad, professor de Ciência Política, evitou analisar o atual cenário eleitoral e não quis comentar quem seria o adversário ideal para um eventual 2.º turno, onde está seguro de que chegará, "segurança, hoje, maior do que nunca".

Mensalão. O candidato não acredita em reflexo negativo da condenação do deputado federal João Paulo Cunha, candidato do PT à Prefeitura de Osasco, em sua campanha. E disse que os partidos estão sujeitos a desvios de conduta. "Em qualquer agremiação pode-se ter desvio de conduta, isso vale para um partido, para uma igreja e até para uma família. A ética é um atributo individual, ela não se presta a coletivos."

O petista lembrou do processo que envolve o senador Eduardo Azeredo (PSDB), conhecido como mensalão mineiro, e as denúncias contra a administração da ex-governadora do Rio Grande do Sul Yeda Crusius. "Veja o PSDB. Ele está respondendo a vários processos no País", disse. "E por que não se diz que isso macula o PSDB? Porque o PSDB é um partido que defende um ideal de sociedade e não defende a impunidade, assim como o PT. Não há como um partido não defender a ética na política." Haddad voltou a defender a aliança com o PP do deputado federal Paulo Maluf e disse que o PP faz parte da base do governo Dilma e também do governador Geraldo Alckmin. / D.C.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.