Dilma elogia Temer e vê 'longa vida' de aliança com PMDB

Presidente evita, porém, falar abertamente de 2014 na convenção dos aliados, que esperavam declaração explícita sobre repetição da chapa

EDUARDO BRESCIANI , RAFAEL MORAES MOURA , DÉBORA BERGAMASCO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2013 | 02h03

Na semana em que a base aliada escancarou sua divisão, a presidente Dilma Rousseff defendeu "longa vida" da parceria entre PT e PMDB, disse fazer uma "dobradinha que se completa" com o vice, Michel Temer, mas não deixou explícita a permanência dele na chapa da reeleição, em 2014. Ao prestigiar ontem a convenção do PMDB, que reconduziu Temer ao comando da legenda, Dilma elogiou a aliança, mas não se comprometeu em manter o partido como vice.

"O convite do PMDB para estar aqui ofereceu uma oportunidade extraordinária para que juntos possamos celebrar essa parceria sólida, produtiva e que sem dúvida alguma terá uma longa vida", disse Dilma, aplaudida por uma plateia de ministros, governadores, senadores e deputados do PMDB. Em vários trechos do discurso ela fez deferências ao vice mas, não falando em repetir a dobradinha deixou aberta a porta para o PSB do governador Eduardo Campos (PE).

Nos últimos dias, Campos - possível adversário de Dilma na eleição de 2014 - criticou a antecipação da disputa por parte do PT. Irritado com as provocações do governador cearense Cid Gomes e do ex-ministro Ciro Gomes - que são do PSB e detonaram sua pré-candidatura -, Campos disse nunca ter visto um governo "em dificuldades" precipitar o debate sobre a própria sucessão. "Mas está todo mundo em campanha, gente, inclusive ele", rebateu Garibaldi Alves, ministro da Previdência.

Para afagar o PMDB, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou uma mensagem na qual elogiou a parceria Dilma-Temer e enalteceu o líder peemedebista. "Lado a lado, com Dilma, garantiremos conquistas ainda maiores", afirmou Lula, na carta lida pelo presidente do PT, deputado Rui Falcão.

Na mensagem, Lula destacou a participação de Temer no governo federal e relembrou o "importante papel" do PMDB na luta contra a ditadura.

Dilma, por sua vez, destacou semelhanças entre o PT e o PMDB. Afirmou que ambos são frutos da luta a favor da democracia e das causas sociais. Ao citar quadros históricos do PMDB, mencionou Tancredo Neves e trecho do discurso que ele havia preparado para a posse na Presidência da República, em 1985, no qual enfatizaria o combate à miséria. Tancredo é avô do senador Aécio Neves (PSDB), provável adversário dela em 2014.

Articulador. Temer foi reeleito ontem presidente nacional do PMDB, até 2015, mas, novamente, ficará licenciado. Enquanto ele for vice-presidente, o comando do PMDB continuará com o senador Valdir Raupp (RO). Nas discussões da convenção, este passou moção sobre candidatura presidencial do partido em 2018. "Se o PMDB lançar um bom nome, por que não ter o PT com a vice?", perguntou Raupp.

Na sua fala, Dilma enalteceu a capacidade de articulação de Temer, mas em nenhum momento falou em 2014. "O vice-presidente Michel Temer é um grande parceiro que divide a responsabilidade de governar o País. Com ele nós formamos a chamada dobradinha que se completa e se complementa. Só tenho a agradecer ao trabalho, a solidariedade, a competência e a parceria", insistiu a presidente.

Questionado sobre o tom do discurso de Dilma, Temer usou de diplomacia. "Mais seria impossível", avaliou. "Se dissesse mais do que disse, eu diria que é um exagero retórico." No Planalto, auxiliares de Dilma lembraram que ela só não citou a disputa de 2014 para não cometer crime eleitoral.

Temer afirmou, sobre a não menção de seu nome como vice na chapa de 2014, que é preciso "ir com calma". "Precisamos ir com calma, isso é uma coisa que vamos decidir no ano que vem".

Uma gafe cometida por Dilma no fim do discurso provocou constrangimento. Ao citar os governadores do PMDB, ela esqueceu de mencionar Roseana Sarney, do Maranhão. Alertada, disse tê-la deixado por último por ser a única mulher e porque março é o mês mulher. Ao fazer a correção, porém, cometeu outra falha, chamando a governadora de "Roseane", o que a deixou ainda mais irritada. Após o discurso, as ministras Ideli Salvatti (Relações Institucionais) e Helena Chagas (Comunicação Social) levaram a presidente a uma sala reservada para falar com Roseana.

Palanque duplo. O PMDB aprovou, por unanimidade, uma moção proibindo palanques duplos nos Estados em 2014. Ao mesmo tempo em que tenta garantir a vaga de vice na chapa nacional, o partido quer delimitar seu espaço regional. A curto prazo, a medida tem o objetivo de pressionar o PT a desistir de algumas candidaturas e desatar nós como o do Rio de Janeiro. Lá, a aliança entre o PT e PMDB corre risco porque tanto o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) como o atual vice-governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB), querem disputar a sucessão de Cabral.

"Caberá ao PT decidir se quer candidato próprio no Rio ou o nosso apoio no Estado para a eleição presidencial", afirmou Leonardo Picciani (PMDB-RJ). Para não criar constrangimentos a Dilma, Temer conseguiu convencer Picciani a só ler a moção depois de ela deixar o Centro de Convenções Brasil XXI, onde foi feita a convenção do partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.