Dilma e Lula se reúnem por três horas em SP

Encontro reservado ocorreu no escritório da Presidência na capital paulista e na pauta estavam a reforma ministerial e as eleições municipais deste ano

DAIENE CARDOSO , AGÊNCIA ESTADO, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2012 | 03h08

A poucas semanas de realizar sua primeira reforma ministerial, a presidente Dilma Rousseff se reuniu por três horas com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na tarde de ontem, no escritório da Presidência da República, na área central de São Paulo.

Segundo a assessoria de imprensa da Presidência, os dois almoçaram a sós. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, acompanhou Dilma no trajeto entre o Palácio dos Bandeirantes - onde ela participou de evento pela manhã - e o escritório, mas não participou do encontro.

O conteúdo da conversa entre Dilma e Lula não foi divulgado. Mas a pauta do encontro incluía, além das condições de saúde do ex-presidente, a dança das cadeiras na Esplanada e as eleições municipais deste ano.

Lula é o artífice da candidatura do ministro Fernando Haddad (Educação) a prefeito de São Paulo, porém, para entrar de vez na pré-campanha, Haddad precisa que Dilma faça a reforma do seu ministério.

Desde o final de 2011, Dilma tem ouvido do ex-presidente conselhos para que comande pessoalmente as negociações políticas da gestão. Agora, ela se vê no momento de conciliar interesses de aliados importantes.

Temer. O nome do presidente municipal do DEM em São Paulo, Alexandre de Moraes, desponta como alternativa mais forte ao preenchimento da vaga de vice na chapa encabeçada por Gabriel Chalita (SP), pré-candidato do PMDB à Prefeitura de São Paulo. O assunto foi discutido em uma reunião realizada na última segunda-feira na casa do vice-presidente da República, Michel Temer, também em São Paulo, em que estavam presentes Chalita, Moraes e o próprio Temer.

Na terça, Temer e Chalita reuniram-se com o presidente do DEM em São Paulo, Jorge Tadeu Mudalen, que ontem também esteve com Geraldo Alckmin / COLABOROU ANDREA JUBÉ VIANNA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.