Dilma e Lula estarão juntos em SP, PE e RJ na última semana antes do 2º turno

Campanha escolheu os três Estados onde ela enfrentou problemas nas urnas para aparecer ao lado do ex-presidente

Tânia Monteiro e Ricardo Della Coletta, O Estado de S. Paulo

16 de outubro de 2014 | 20h44

 Brasília - A presidente Dilma Rousseff escolheu três Estados onde enfrentou problemas nas urnas no primeiro turno - São Paulo, Pernambuco e Rio de Janeiro - para concentrar sua última semana de campanha. E ela estará ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Esta será a primeira vez que os dois estarão juntos em um ato de campanha desde 3 de outubro. Além de buscar votos, a iniciativa também ajuda a abafar rumores de que os dois estariam estremecidos e de que Lula teria se afastado da campanha.

Além do cenário nesses três Estados, a campanha de Dilma está muito preocupada com a situação da candidata no Sul do País, por causa de pesquisas internas encomendadas que apontam para um cenário mais adverso que no primeiro turno. Por isso, Dilma estará nesta sexta-feira (17) em Santa Catarina e no Paraná, tentando reverter o quadro do primeiro turno, quando catarinenses e paranaenses deram 1,8 milhão de votos a mais para o tucano. Nesta sexta-feira, após as agendas em Florianópolis e Curitiba, Dilma retornará a Brasília, onde planeja gravar participações para os programas de rádio e TV de candidatos aliados que disputam os governos do Pará, Acre, Mato Grosso do Sul e Goiás.

São Paulo é o caso mais crítico para os petistas, já que Aécio Neves abriu uma vantagem de mais de quatro milhões de votos sobre Dilma. Na segunda-feira (20), o primeiro evento será com jovens e artistas na periferia da capital paulista. O comitê cobra a presença da ministra da Cultura, Marta Suplicy, que desapareceu de qualquer agenda eleitoral desde que "se estranhou" com o presidente do PT, Rui Falcão, em uma carreata. "Ela parece uma rebelde sem causa", comentou um integrante da campanha, argumentando que neste momento Marta não pode colocar "coisas pessoais" acima de um "projeto maior": a reeleição de Dilma. "Estamos tentando convencê-la a estar presente, por ela ser um dos quadros mais importantes do PT em São Paulo", comentou.

Na terça-feira, 21, novamente com Lula, o destino será Pernambuco, único Estado nordestino onde Dilma não encerrou o primeiro turno na liderança. O objetivo da dupla é evitar que o apoio declarado do PSB pernambucano a Aécio transfira a maior parte dos 2,3 milhões de votos dados à ex-ministra Marina Silva ao tucano. A ideia inicial é que ambos estejam não só no Recife, mas também em Petrolina. Dilma acha que a presença de Lula em seu Estado natal ajudará a neutralizar o avanço de Aécio em uma região historicamente fiel ao PT.

Para a quarta-feira, 22, a previsão é de que Dilma e Lula estejam juntos para uma caminhada na tradicional Feira de São Cristóvão, zona norte do Rio. Estão em disputa os 2,5 milhões de votos dados a Marina Silva no Estado. Pesquisas em posse do PT apontam que a maior parte dos votos de Marina tem migrado para Dilma, ao contrário do registrado em outros Estados.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesDilma RousseffLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.