Dilma diz que País tem de superar a discriminação

Presidente defende a diversidade em discurso em Salvador; Barbosa afirma que caso Feliciano é exemplo de democracia

TIAGO DÉCIMO / SALVADOR , FELIPE RECONDO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2013 | 02h12

A presidente Dilma Rousseff aproveitou ontem seu discurso na inauguração da Arena Fonte Nova, em Salvador, para dizer que o Brasil vive "uma democracia que respeita a diversidade, que é contra a discriminação". Dilma falou genericamente. Já o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, falou abertamente sobre a polêmica envolvendo o deputado Marco Feliciano (PSC-SP). Ele disse numa palestra em Brasília que a chegada do à Comissão de Direitos Humanos da Câmara e os protestos contra ele são exemplos de democracia.

Indireta. Durante seu discurso, Dilma lembrou que o bairro no qual a arena está instalada, Nazaré, é sede de algumas das mais importantes igrejas católicas de Salvador, além de reunir centros de tradições judaicas e islâmicas e de ter esculturas que homenageiam os orixás do candomblé. "O bairro de Nazaré tem construída toda essa capacidade imensa do Brasil de conviver com a diversidade."

Para a presidente, a luta contra a discriminação no País está ligada ao crescimento do padrão de vida da população. "Um país que sabe que é capaz de lutar pela superação da pobreza tem de lutar pela superação de todas as formas de discriminação", disse. "Eu sempre destaco, quando me refiro à discriminação, a questão do acesso das populações marginalizadas, o problema das cotas raciais e sociais às universidades. Queria dizer que este país só é respeitado no cenário internacional porque ele se respeita e, por isso, talvez sejamos o país que melhor utilizou o crescimento econômico para elevar o padrão de vida de sua população."

Dilma também comparou o Brasil de 2013 ao de 1950, quando o País foi sede pela primeira vez da Copa do Mundo de Futebol. "Naquela época, à nossa frente ainda teriam anos horríveis de fechamento e ditadura. Hoje não, somos uma democracia consolidada, uma democracia que cresce e, diferentemente do passado, quando cresce compartilha os frutos desse crescimento com a população e seu povo, com todos os cidadãos e cidadãs."

Direta. Em palestra na Universidade de Brasília (UnB), Barbosa foi questionado sobre Feliciano. "Eu sabia que viria alguma saia justa", ironizou. "A minha resposta é de quem viveu durante anos e anos nesse ambiente de liberdade. É simples: o deputado Marco Feliciano foi eleito pelos seus pares para assumir um determinado cargo dentro do Congresso Nacional. Perfeito", disse. "Agora, a sociedade tem direito de se exprimir contrariamente à presença dele neste cargo. Isso é democracia", concluiu.

Feliciano é alvo de uma séria protestos por declarações tidas por homofóbicas e racistas feitas no Twitter em 2011. Ele afirma, entre outras coisas, que os africanos descendem de um ancestral "amaldiçoado" pelo personagem bíblico Noé.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.