Dilma diz que FHC foi 'preconceituoso' e pede onda de votos

Em visita ao Nordeste, candidata a reeleição volta a atacar PSDB e tenta associar adversários ao que chama de 'conservadorismo'

Edgar da Costa Maciel, O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2014 | 20h20

Em seu segundo dia de visita ao Nordeste, a presidente e candidata Dilma Rousseff (PT) criticou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) por classificar seus eleitores de "ignorantes" e desinformados". Em visita a Aracajú, no Sergipe, Dilma discursou nesta tarde para mais de duas mil pessoas em um ginásio no centro da cidade onde repudiou o que chamou de "uma liderança do PSDB ligada a Aécio" que foi "totalmente preconceituosa e elitista".  Dilma e aliados admitiram que o 2º turno será acirrado e fizeram um apelo aos nordestinos para que convençam quem não votou ou anulou o voto no último domingo  para ajudar a aumentar a vantagem petista na região.

A presidente desembarcou na capital do Sergipe no começo da tarde e fez carreata pelas ruas de Aracaju, acompanhada pelo governador reeleito do Estado, Jackson Barreto (PMDB), e do governador da Bahia, Jaques Wagner (PT). Eliane Aquino, viúva do ex-governador Marcelo Deda também participou do ato. Em Sergipe, a petista teve o sexto maior porcentual de votação no país, com 54,91% dos votos válidos contra 22,7% de Aécio Neves (PSDB)  e 18,56% de Marina Silva (PSB). A presidente tem o apoio de Barreto (PMDB), que tem como vice Belivaldo Chagas (PSB), correligionário de Marina.

Logo no começo de seu discurso, no Espaço Emmes, na zona sul Dilma aproveitou foi para o ataque e  criticou FHC e o PSDB por tentar dividir o Brasil em dois polos. "O Nordeste nos últimos 12 anos mudou para melhor e cresceu acima do Brasil. Acho que meus adversários estão desinformados e pensam que vocês (nordestinos) pararam no tempo e são iguais ao que eram 15 anos atrás", afirmou.

A candidata citou uma série de números e dados que, segundo ela, comprovam que o Nordeste "mudou para melhor", como os programas Luz PARA Todos, Pronatec, Prouni e Minha Casa Minha Vida. "Eu e Lula cumprimos a nossa palavra de diminuir a desigualdade aqui no Nordeste. Nós temos muito orgulho disso", disso.

A presidente voltou a associar o PSDB do adversário Aécio Neves ao que chamou de "conservadorismo" e conclamou o povo nordestino a "lutar pelas conquistas dos últimos 12 anos". "Meu adversário tem uma mania. Tudo que é certo no nosso governo ele diz que vai continuar e fazer melhor. Mas por que não fizeram antes, quando tiveram condições", indagou.

Votos. Os governadores da Bahia e do Sergipe e os deputados eleitos na região admitiram antes do evento que a briga por votos será mais acirrada neste segundo turno.  No palanque, Jaques Wagner e Jackson Bezerra chegaram a apostar quem faria mais votos para o PT no dia 26 de outubro. "Vamos apostar uma pinga pra ver quem tem o maior número de votos proporcionais na Dilma. Sergipe ou Bahia?", brincaram.

A presidente conclamou a militância para convencer quem não compareceu às urnas no dia 5 ou quem votou nulo e branco para que votem no PT no segundo turno. "Já pedi uma onda de votos lá na Bahia e agora quero também uma onda de votos aqui em Sergipe também. Uma onda que nos leve à vitória", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesDilma RousseffPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.