Dilma diz que Aécio não está acostumado a ser criticado porque tinha 'blindagem' em Minas

Dilma diz que Aécio não está acostumado a ser criticado porque tinha 'blindagem' em Minas

Presidente repetiu discurso feito no debate, de que adversário tucano era 'blindado' pela imprensa de Minas, quando foi governador

Isadora Peron e Carla Araújo, O Estado de S. Paulo

15 de outubro de 2014 | 19h24

São Paulo - A presidente Dilma Rousseff (PT) negou nesta quarta-feira, 15, que esteja tentando desconstruir a imagem do seu adversário Aécio Neves (PSDB). Segundo ela, o tucano não está acostumado a receber críticas porque era "blindado" pela imprensa de Minas, Estado que governou por oito anos. 


"Posso receber todas as críticas durante todo o tempo e escutar barbaridades a respeito de várias áreas da minha campanha e até da minha atividade governamental, mas tenho de achar que isso faz parte da democracia. Agora, o candidato, de fato, não está acostumado a receber críticas porque ele, como muitas vezes vocês mesmo já divulgaram, tinha uma certa blindagem quando foi governador de Minas", afirmou Dilma, antes de participar de um ato com educadores em São Paulo. 

No debate de terça-feira, 14, a presidente criticou diversos pontos da gestão de Aécio à frente do governo mineiro, em áreas como educação e saúde.

Em resposta nesta quarta, 15, o tucano se disse vítima de "uma campanha de ódio e rancor" e afirmou que a petista está desesperada e tem espalhado "mentiras, infâmias e calúnias" sobre ele. Dilma, por sua vez, afirmou que poderia comprovar tudo que disse. "O dado a respeito do fato de ele não ter cumprido o mínimo que a Constituição manda que se destine para educação e saúde está no site do Tribunal de Contas do Estado", afirmou. 

A presidente também disse que não foi ela quem fez a denúncia a respeito da construção do aeroporto de Cláudio, que teria beneficiado parentes de Aécio, e sim os jornais. "Não inventei e não investiguei, até porque eu não tinha a menor noção. Quem investigou e divulgou foi a imprensa", disse. 

Ela argumentou que qualquer pessoa que quer ser presidente da República tem de debater. "Eu acho surpreendente que essas questões não sejam discutidas de forma clara", disse. A presidente afirmou que o tucano pode confrontar a sua gestão e que nunca o impediu disso. 

Segundo Dilma, Aécio "fala coisas fantásticas" do governo. "Ele chega a dizer que quer continuar com as políticas sociais que nós fazemos e que ele fará muito melhor que eu."

Dilma afirmou que quer ser julgada pelo que o governo fez. "Quero confrontar proposta com proposta, realidade com realidade." Ela disse ainda que quer que "o candidato prove onde estão as mentiras" que ela disse sobre a sua gestão. 

Petrobrás. Questionada se assumiria alguma responsabilidade pelos erros do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, que admitiu ter recebido propinas durante sua gestão, Dilma disse ter "muita tranquilidade com a Petrobrás". "Sabe por quê? Porque em abril de 2012 eu não sabia que havia esse processo e retirei as pessoas. Eu não tenho que assumir, eu tenho que investigar", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesDilma RousseffAécio Neves

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.