Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Dilma diz não trabalhar com hipótese de vitória no primeiro turno

Primeira dos três principais candidatos à Presidência a votar neste domingo, petista reafirma não ter preferência em disputar com Aécio ou Marina

Lisandra Paraguassu, O Estado de S. Paulo

05 de outubro de 2014 | 09h01

PORTO ALEGRE - A presidente Dilma Rousseff (PT) foi a primeira dos três principais candidatos ao Planalto a votar neste domingo, 5. Antes de depositar seu voto na urna, ela afirmou que, apesar do resultado das últimas pesquisas, não trabalha com a hipótese de uma vitória já no primeiro turno das eleições. 

"Não trabalho com essa hipótese, respondeu, ao sair de um café da manhã com o governador Tarso Genro e lideranças gaúchas."A hipótese que tenho trabalhado desde o inicio é de uma eleição em dois turnos. O resto as urnas vão decidir". 

Dilma se recusou a dizer se prefere enfrentar no segundo turno o tucano Aécio Neves ou Marina Silva, do PSB.  "Eu não vou falar em preferência. Quem decide é no povo.  Eu não sou instância. Seria desrespeitoso", disse. 

Dilma saiu atrasada do hotel Plaza São Rafael, onde ficou hospedada e tomou café da manhã com as lideranças e candidatos gaúchos. A previsão era de que votasse às 8h15,  mas a candidata chegou na escola apenas próximo às 9h.  

Na rápida entrevista, Dilma pediu que os eleitores votassem "com consciência e paz no coração" e afirmou que, depois do primeiro e do segundo turno será hora de "nos unirmos para o bem do Brasil". 

"Cada cidadão é um voto. Todos os integrantes do povo brasileiro tem que levar em conta que o voto dá poder ao mais pobre. O voto torna todos iguais perante a urna. O resultado é sagrado" afirmou. 

Dilma também falou que, na hora da votação, a defesa do que já se conquistou deve ser inspiração. Perguntada por jornalistas pela expectativa que tem com relação ao Rio Grande do Sul, ela lembrou sua relação com o Estado e disse que espera que a vitória comece pelo RS.

A presidente vota  acompanhado do governador Tarso Genro e depois o acompanha na votação, que é na mesma escola. Dilma deve voltar para Brasília logo em seguida, onde acompanha a apuração.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesPTDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.