Dilma deve ‘refazer alianças’, diz corrente petista

Grupo de Cardozo e Tarso condena parcerias com 'setors conservadores', pede prioridade a siglas de esquerda e ataca ministro das Comunicações

, Vera Rosa - O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2013 | 02h12

Brasília - A presidente Dilma Rousseff precisa "refazer" suas alianças para a eleição de 2014, mirando partidos de esquerda e centro-esquerda, se quiser "dar conta" dos avanços necessários ao País. A avaliação consta do documento intitulado "Para o PT liderar um novo ciclo da revolução democrática", produzido pela corrente Mensagem ao Partido, que, em 2005, no auge do escândalo do mensalão, propôs a "refundação" da legenda.

Integrada pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e pelo governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, a corrente diz que os protestos de junho trouxeram um "elemento de imprevisibilidade" à disputa de 2014 e prega uma "aliança programática". O documento, redigido pela chapa que apoia a candidatura do deputado Paulo Teixeira (SP) à presidência do PT, afirma que as parcerias com "setores conservadores" são um "empecilho" para mudanças, como a instituição do imposto sobre grandes fortunas.

"O novo quadro anuncia, neste momento, uma disputa mais complexa do que a anteriormente esperada para as eleições de 2014", diz um trecho da tese apresentada pelo grupo Mensagem ao Partido, a segunda maior força do PT. "Não parece mais bastar a divulgação dos enormes avanços dos dez anos do governo Lula e Dilma e a comparação com o período anterior", completa o texto, numa referência ao governo do tucano Fernando Henrique Cardoso, sempre criticado por petistas.

Na avaliação do grupo, para que o Brasil avance, a partir deste novo momento, Dilma deve construir outras alianças, "voltando a dar prioridade a uma frente de partidos de esquerda e de centro-esquerda, e a organizações e movimentos sociais progressistas e libertários".

Mídia. A chapa também cobra de Dilma uma ação "urgente" para destravar o projeto de regulamentação da mídia e critica a atuação do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, que é filiado ao PT. "Nosso Ministério das Comunicações tem adotado neste governo uma política moderada, recuando de avanços que se anunciavam no final do segundo governo Lula", observa o texto. "É natural e legítimo que esse tema apareça nos debates do PT. Achei essa abordagem pertinente e também moderada", devolve Bernardo.

Em 2005, na crise do mensalão, a corrente Mensagem ao Partido chegou a pregar a "refundação" do PT, mas depois voltou atrás. Cardozo, hoje ministro, foi um dos autores do Código de Ética do partido, que prevê a expulsão de filiados envolvidos em corrupção e condenados em última instância pela Justiça. Agora, embora alegando ser preciso superar "erros cometidos", o mesmo grupo afirma que houve "manipulação" do julgamento do mensalão pela direita.

Com o argumento de que Dilma é "alvo de campanha sistemática de desgaste", a chapa de Teixeira prega a defesa da presidente e a mobilização em torno da ideia do plebiscito para a reforma política. Admite, porém, que "resistências conservadoras" podem inviabilizar a consulta popular. Diante desse quadro, o grupo tenta manter de pé a proposta de Constituinte exclusiva para mudar o sistema eleitoral, considerada inconstitucional pelo vice-presidente Michel Temer (PMDB).

Além de Teixeira e do atual presidente do PT, Rui Falcão, que concorre à reeleição, outros quatro candidatos disputam o comando petista. A eleição interna será dia 10 de novembro.

Tudo o que sabemos sobre:
dilmapt

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.