Dilma convida Afif e tenta aliança informal com PSD

Vice-governador de São Paulo foi escolhido para ocupar a recém-criada Secretaria da Micro e Pequena Empresa, que ainda precisa ser estruturada

VERA ROSA , ANDREA JUBÉ VIANNA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2013 | 02h12

A presidente Dilma Rousseff já convidou o vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos (PSD), para assumir a recém-criada Secretaria da Micro e Pequena Empresa, que tem status de ministério. A entrada de Afif no primeiro escalão, porém, só deverá ocorrer no fim de abril ou mesmo em maio, já que a nova pasta ainda precisa ser estruturada.

Afif assumirá o cargo na chamada "cota pessoal" de Dilma, já que o PSD do ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, decidiu não integrar formalmente o governo. Mesmo assim, a tendência do PSD é apoiar a reeleição de Dilma, no ano que vem. O plano do partido é ocupar espaços na administração a partir de 2015, caso a presidente conquiste o segundo mandato.

Na quinta-feira, Dilma sancionou o projeto de lei que criou a Secretaria da Micro e Pequena Empresa. Trata-se do 39.º ministério, que terá impacto orçamentário de R$ 7,9 milhões por ano. A pasta contará com 66 cargos em comissão. Para comandar o ministério, o vice-governador de São Paulo não pretende renunciar, mas, sim, pedir uma licença.

"Afif deve ser uma escolha mais técnica do que política", afirmou o deputado Guilherme Campos (SP), ex-líder do PSD na Câmara. "Ele é o nome mais ligado ao tema da micro e pequena empresa no Brasil", completou Campos, ao lembrar que Afif foi presidente da Associação Comercial de São Paulo.

Kassab tem dito a correligionários que quer ver o PSD e o PT juntos no maior número possível de Estados, na eleição de 2014. Pré-candidato ao Palácio dos Bandeirantes, o ex-prefeito sabe que é praticamente impossível o PT não ter candidato próprio à sucessão do governador Geraldo Alckmin (PSDB). Em conversa com aliados, porém, Kassab considerou "inteligente" a manifestação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao jornal Valor Econômico, na qual ele defendeu uma aproximação entre o PT e o PSD em São Paulo.

"Temos que manter o Kassab na aliança e o PMDB. Precisamos quebrar esse hegemonismo dos tucanos em São Paulo, porque eles juntam todo mundo contra o PT", disse Lula na entrevista.

Alianças. Por enquanto, a cúpula do PSD avalia que é possível composição com o PT em Minas, Bahia, Santa Catarina, Rio Grande do Norte e Mato Grosso. Na Bahia, o vice-governador Otto Alencar é filiado ao PSD. Dirigentes petistas asseguram, no entanto, que não abrirão mão da cabeça de chapa no Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.