Dilma condiciona emenda parlamentar a aprovação da DRU

O governo criou um toma lá dá cá para convencer o Congresso a aprovar a prorrogação por quatro anos da Desvinculação de Recursos da União (DRU), que acaba em 31 de dezembro. Na proposta do Orçamento de 2012, há R$ 6,2 bilhões reservados para emendas de parlamentares, mas as despesas só serão realizadas se a DRU estiver em vigor.

O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2011 | 03h05

O dinheiro foi inscrito como "reserva de contingência fiscal" e as receitas para esse gasto estão "condicionadas", ou seja, dependentes da aprovação da DRU.

Segundo técnicos, trata-se de "pressão disfarçada" sobre o Congresso. Independente disso, o governo não deve ter dificuldade em aprovar a emenda, mais aceita hoje do que quando foi criada, em 1994. A DRU serve para o governo liberar 20% dos recursos que teriam destinação específica. / LU AIKO OTTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.