Dilma chama Lula para jantar com PT e PMDB

Encontro com as cúpulas partidárias no Alvorada vai tratar da reorganização do espaço político no governo; Planalto, porém, não quer criar ciúmes no PSB

Tânia Monteiro - O Estado de S.Paulo,

06 de novembro de 2012 | 02h03

A presidente Dilma Rousseff recebe hoje as cúpulas do PT e do PMDB para um jantar no Palácio da Alvorada - que contará, também, com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No encontro serão tratadas a dobradinha entre as duas siglas, a reorganização do espaço político no governo depois das eleições e estratégias para 2014.

Um dos convidados, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse ontem que seu partido aproveitará a ocasião para reiterar o apoio à reeleição de Dilma, daqui a dois anos.

Ao discutir essa aproximação, no entanto, o governo está cauteloso. Não quer criar ciúmes no PSB - já que Lula, ao ter mergulhado de cabeça nas eleições municipais em várias cidades, acabou deflagrando confronto direto com a legenda comandada pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, em cidades como Recife e Fortaleza. Em hipótese nenhuma o Planalto quer ter problemas diretos com o PSB, que considera um aliado importante para votações no Congresso.

O governo se empenha, no caso, em não abrir espaço para que Campos decida seguir caminho próprio para 2014, atrapalhando os planos de reeleição de Dilma. Um encontro dos dois provavelmente ocorrerá na sexta-feira, em Salvador, em reunião de todos os governadores na Sudene.

Ao falar à imprensa, após uma cerimônia de entrega da Ordem do Mérito da Cultura, Sarney disse que o jantar de hoje servirá para fazer um balanço das eleições e comemorar os resultados eleitorais. "Vamos conversar sobre eleições e sobre futuro. Falaremos da aliança do PMDB e do PT com o governo, sobre a nossa contribuição e como vamos nos conduzir até o término do mandato da presidente, além de, sem dúvida, apoiá-la na reeleição", resumiu o presidente do Senado, evitando mencionar a discussão para a ampliação do espaço do PMDB na Esplanada dos Ministérios.

O Planalto já reconheceu a ajuda que o PMDB lhe deu nas eleições municipais - particularmente o apoio de Gabriel Chalita à vitória de Fernando Haddad, em São Paulo, reconhecida pelo Planalto como "relevante" e "importante". Só que, no Planalto, já se comenta que Chalita poderá ficar em São Paulo, para um cargo "muito bom" ao lado de Haddad, o que levaria a uma mudança de estratégia em relação ao nome e ao novo ministério a ser ocupado pelo PMDB.

No Congresso. No jantar, o PMDB ouvirá dos petistas presentes e de Dilma que está garantido o acordo para as eleições das mesas da Câmara e do Senado. Ou seja, o governo vai dar apoio na disputa pela presidência da Câmara ao deputado Henrique Eduardo Alves (RN) e no Senado a Renan Calheiros (AL). O Planalto assegurará ainda que não vai endossar nenhum cenário diferente, apesar de outros nomes serem ventilados.

De início, o jantar seria restrito a cinco participantes de cada lado - mas acabou ampliado, para incluir ministros do PT e do PMDB e os presidentes dos dois partidos, Rui Falcão e Valdir Raupp, além de líderes dos partidos nas duas casas e lideranças do governo no Congresso.

Mudanças. Na redistribuição de espaço na Esplanada, vem incomodando a presidente a insistência do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, em deixar a Pasta sem ter completado um ano no cargo. O ministro tem falado sobre o assunto a inúmeros interlocutores e já fez chegar a Dilma sua intenção. Ele preferiria uma cadeira no Palácio do Planalto, que poderia ser a Casa Civil, de Gleisi Hoffmann, ou a Secretaria de Relações Institucionais, de Ideli Salvatti, mas não conta, neste momento, com o aval de Dilma. Ambas com mandato de senadoras, Gleisi e Ideli seriam candidatas ao governo de seus respectivos Estados, Paraná e Santa Catarina, em 2014.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaLulaPTPMDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.