Dilma cede a Lula e vai a palanque de Haddad

A pedido de padrinho, presidente decide ir a comício para revidar ataques de tucanos

eleições 2012; Fernando Haddad; Russomanno, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2012 | 03h02

A presidente Dilma Rousseff entrará na campanha paulistana para ajudar o candidato do PT à Prefeitura, Fernando Haddad. Depois de muitas conversas, ela cedeu ao apelo do padrinho político, Luiz Inácio Lula da Silva, e vai participar do último comício de Haddad, na noite de segunda-feira, em Guaianases, na zona leste.

O plano de Lula é concentrar esforços em São Paulo na última semana de campanha, na tentativa de levar Haddad ao segundo turno. As últimas pesquisas de intenção de voto indicam empate técnico entre o petista e o tucano José Serra - Celso Russomanno (PRB) está na liderança.

O Estado apurou que, mesmo sem citar nomes, Dilma pretende rebater no palanque os ataques de Serra, para quem a presidente não deveria "meter o bico" em São Paulo. Ela se juntará a Lula nas críticas feitas desde anteontem ao PSDB, que tenta vincular Haddad aos réus do mensalão (leia na pág. A9).

Dilma não queria, inicialmente, subir no palanque de nenhum candidato do PT em capitais nas quais a base do governo estivesse dividida. Embora seja o caso de São Paulo, a presidente foi convencida de que sua presença ao lado de Lula e Haddad pode ajudar a desempatar o jogo a favor do PT. O PRB de Russomanno e o PMDB de Gabriel Chalita - em quarto lugar na corrida - integram a base do governo Dilma.

Tática. O local do último comício de Haddad é um tradicional reduto do PT que acabou sendo "invadido" por Russomanno. No palanque montado nas imediações da Cohab José Bonifácio, em Guaianases, Dilma e Lula seguirão a estratégia traçada pelo comando da campanha de mostrar que Haddad tem padrinhos e projetos.

A estratégia é vincular o ex-ministro a programas para combater a pobreza. Na TV o mote continuará o mesmo: quem ajudou os pobres no Brasil pode fazer o mesmo em São Paulo.

O alvo dos próximos dias de campanha de Haddad é a periferia, principalmente a zona leste, onde Russomanno lidera as pesquisas com mais folga. O PT organizou 20 carreatas para o fim de semana. Hoje, Lula participará de comícios em São Miguel Paulista e Cidade Tiradentes.

Ontem, em Paraisópolis, zona sul, Haddad reagiu à propaganda de Russomanno, que o ligou à taxa do lixo e disse que o petista está "desesperado". Foi o primeiro ataque da campanha do PRB ao adversário. "Não se trata de críticas pessoais, mas de debate de propostas", disse Haddad, que tem atacado a ideia de Russomanno de cobrar tarifa proporcional de ônibus.

Russomanno disse ontem, em Marsilac, no extremo sul, que é "vítima de ataques" de todos os lados e que, por isso, gravou uma propaganda de TV para se defender das críticas.

'Tumulto'. Em caminhada pela Mooca, bairro da zona leste onde nasceu e cresceu, Serra discutiu com um jornalista e chamou-o de "sem vergonha". A assessoria do tucano afirmou em nota que o repórter foi "enviado pelo PT para tumultuar a coletiva de imprensa".

Serra falava sobre a proposta de criar um sistema municipal de ensino técnico. "Quando eu era criança, aqui na Mooca, tudo o que eu queria era fazer um curso técnico ou profissionalizante, porque era um curso que virava emprego", disse o candidato. "Essa é minha ideia, o que me veio à cabeça", completou.

O repórter da Rede Brasil Atual - grupo multimídia mantido por sindicatos filiados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) - perguntou: "A ideia veio agora à sua cabeça ou é do seu programa de governo?". Serra questionou em qual veículo o jornalista trabalhava. A primeira resposta foi "não interessa".

O tucano retomou a entrevista, mas começou a se afastar dos jornalistas quando um integrante do programa humorístico CQC voltou a tratar de programa de governo. O repórter da Rede Brasil Atual perguntou se o tucano só respondia a questões que lhe interessavam, e Serra disse: "Eu não respondo perguntas de sem vergonha". / VERA ROSA, BRUNO LUPION, PEDRO DA ROCHA e RICARDO CHAPOLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.