Dilma 'afaga' PSB, e Cid Gomes lança Campos para vice

Presidente recebe governadores da sigla a fim de aparar arestas, e cearense diz que PMDB deveria ceder lugar na chapa à reeleição

VERA ROSA, TÂNIA MONTEIRO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2012 | 02h07

Depois de promover um jantar para afagar o PMDB, a presidente Dilma Rousseff fez um gesto para contornar as divergências com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que se posiciona na disputa pelo Palácio do Planalto. Dilma jantou com Campos na quarta-feira e ontem almoçou com o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB). A intenção era destacar a harmonia da base aliada, mas Cid saiu do encontro defendendo Campos para vice em uma chapa de reeleição liderada por Dilma.

"Se o PMDB ficar com as presidências da Câmara e do Senado, já está de bom tamanho", avaliou Cid. "Nesse cenário, eu defendo que o candidato a vice-presidente, em 2014, seja Eduardo Campos."

A declaração provocou constrangimento nas fileiras do PMDB, que quer repetir a dobradinha com o atual vice, Michel Temer, e surpreendeu Dilma.

Antes da conversa com Cid, no Palácio da Alvorada, Dilma amenizou os ruídos com o PSB. Disse que o diálogo com Campos, presidente do partido, tinha sido muito proveitoso e admitiu a necessidade de fazer um carinho na direção do aliado. "Todos precisam de afago, minha filha", afirmou a presidente, dirigindo-se à repórter do Estado. "Quem não precisa de afago, em sendo humano? Todos nós precisamos."

Campos disse que o PSB vai apoiar a reeleição de Dilma, em 2014, e garantiu a fidelidade do partido. "Esse é o papel que cumpriremos. Não vamos entrar no jogo daqueles que querem fazer da eleição municipal um veredicto para a nossa relação nas próximas décadas", insistiu o governador. Na contramão das afirmações de Cid, Campos assegurou, ainda, que não pretende ser vice na provável chapa para um segundo mandato de Dilma.

O PSB derrotou o PT em Belo Horizonte e no Recife, duas capitais de peso político. Além disso, os partidos se enfrentaram em várias outras cidades. Nos últimos dias, Campos cobrou ações mais efetivas do Planalto para enfrentar a crise econômica e disse que, se a discussão ficasse concentrada nas eleições de 2014, assuntos importantes, como o preço da energia elétrica, seriam relegados a segundo plano.

Relação. "Não existem essas diferenças (entre o PT e o PSB)", minimizou Dilma, ontem. "A nossa relação sempre se manteve a mesma." Nas conversas reservadas com Campos e com Cid, a presidente mostrou-se disposta a acabar com os dissabores no relacionamento entre os dois partidos. "Nós temos projetos que muitas vezes são antagônicos a seus aliados", retrucou o governador do Ceará, numa referência ao PMDB de Temer.

Cid deixou claro, porém, que Campos pode esperar para se candidatar ao Planalto somente em 2018. "Ele é novo e pode aproveitar para andar mais pelo Brasil", afirmou, repetindo o mantra entoado pelo correligionário. Dilma evitou fazer comentários e disse compreender que os partidos tenham "um projeto nacional". Foi o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que pediu a Dilma para tentar "agregar" Campos. Para ele, o governador de Pernambuco "tem um pé em cada canoa", já que também flerta com o PSDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.