Di Lorenzo séra candidato do PSDB em Porto Alegre

Professor universitário, Di Lorenzo foi presidente de fundação durante a gestão de Yeda Crusius

Elder Ogliari, da Agência Estado,

24 de junho de 2012 | 20h13

PORTO ALEGRE - O PSDB escolheu o professor universitário Wambert Di Lorenzo como candidato do partido à prefeitura de Porto Alegre em convenção feita neste domingo em um dos auditórios da Câmara de Vereadores da capital gaúcha. Na corrida eleitoral deste ano ele terá apoio do PRP e vai disputar o cargo com outros seis concorrentes. Também estão no páreo José Fortunati (PDT, PMDB, PP, PTB, PPS, PMN, PRTB, PRB, PT do B e DEM), candidato à reeleição, Manuela D''Ávila (PC do B, PSB, PSD, PSC e PHS), Adão Villaverde (PT, PV, PTC e PPL), Roberto Robaina (PSOL), Érico Correa (PSTU) e Jocelin Azambuja (PSL e PSDC).

Di Lorenzo foi presidente da Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH) durante a gestão de Yeda Crusius (2007 a 2010) e contou com o apoio da ex-governadora para superar o deputado federal e presidente estadual do PSDB Nelson Marchezan Júnior. A escolha foi à votação e o resultado foi apertado, de 56 votos a 53.

Na campanha, Di Lorenzo promete se apresentar como único candidato de oposição e lembrar ao eleitor que Fortunati, Manuela e Villaverde são de partidos que estão nos governos estadual e federal. "Aqui o (José) Serra ganhou no primeiro e no segundo turno da eleição presidencial de 2010", recorda o tucano. "Vamos mostrar que as gestões de nosso partido são mais eficientes".

Apesar do discurso, o PSDB terá de resolver suas divisões. O partido está rachado entre os grupos de Yeda e de Marchezan Júnior, que se queixa de manobras da ex-governadora para tirá-lo da disputa e para fortalecer a candidatura dela a deputado federal em 2014.

Também neste domingo, a convenção do PT confirmou a candidatura de Adão Villaverde enquanto a do PSB formalizou o apoio do partido a Manuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.