DF teve 'corrupção sistêmica', afirma o governador

O governador Agnelo Queiroz (PT) afirma que recebeu uma herança maldita do governo anterior, "dominado por corrupção sistêmica", e garante que tomou "medidas duríssimas" para pôr a casa em ordem. Anunciou "uma era de bonança a caminho".

O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2012 | 03h08

Ele nega envolvimento com as irregularidades das quais é acusado na Justiça e no Ministério Público. Segundo o governador, o DF atingiu o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal porque, no ano passado, houve um aumento salarial para 58 categorias, concedido pelos governos anteriores. Houve também contratação de 10 mil pessoas sem previsão orçamentária.

"Eu tinha duas opções: não cumprir os acordos, ou apertar o orçamento. Optei pela segunda", afirmou o governador. / V.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.