Despesa sobe 25% no segundo ano da gestão Dilma

Os gastos com passagens aéreas para autoridades e servidores federais aumentaram 25% no segundo ano do governo Dilma, em comparação com o anterior. Em 2012, foram R$ 606,1 milhões por bilhetes nacionais e internacionais, ante R$ 481 milhões em 2011. A variação ficou bem acima da inflação de 2012, de 5,84% (pelo IPCA). O crescimento contraria orientação da própria presidente, que pediu parcimônia no gasto com bilhetes e com diárias. Nem a própria Presidência seguiu a diretriz: seu gasto nesses itens subiu 41% - R$ 24,4 milhões em 2011 e R$ 34,6 milhões em 2012.

O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2013 | 02h03

Este ano, até o dia 15 de maio, os voos de toda a administração haviam consumido R$ 132,7 milhões, segundo o Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi). Para evitar abusos, a CGU diz ter recomendado aos órgãos federais maior rigor na aprovação das viagens e "compartilhamento de informações gerenciais".

Os gastos com diárias também subiram. De 2011 para 2012, o aumento foi de 22% - R$ 609,7 milhões para R$ 744,9 milhões. Despesas com táxis ou carros de agências mais que dobraram, saltando de R$ 73,8 milhões para R$ 197,2 milhões.

O gasto crescente com passagens e diárias se soma ao uso, cada vez maior, de aviões da Força Aérea Brasileira por ministros e altas autoridades. Como o Estado mostrou em abril, as decolagens a bordo da frota oficial cresceram 5% de 2011 para 2012 e a permanência no ar, 10%. / F.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.