Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Desconhecido, Campos tem caminhada esvaziada

Candidato do PSB realiza caminhadas em cidades da região metropolitana de São Paulo, desperta pouca atenção e acaba até confundido com Kassab

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

18 de julho de 2014 | 12h53

Atualizado às 23h20 - Taboão da serra - O candidato do PSB ao Planalto, Eduardo Campos, cumpriu nesta sexta-feira, 18, agendas de campanha esvaziadas em três cidades da região metropolitana de São Paulo. Acompanhado por uma claque com menos de 50 pessoas, entre correligionários e militância paga, ele fez caminhadas por áreas comerciais de Taboão da Serra, Embu das Artes e Itapecerica da Serra. Enquanto Campos cumprimentava eleitores, pessoas contratadas pelo candidato a deputado José Aprígio da Silva (PSB) agitavam bandeiras, soltavam rojões e abordavam pedestres gritando seu nome. Segundo elas, o pagamento era de R$ 70 pelo serviço. Um homem com uma caixa de som usava um microfone para apresentar Campos às pessoas, mas a maioria não o reconhecia. “É o Kassab?”, perguntou um jovem após receber um aperto de mão de Campos.

 

  Ao ver o ex-governador passar, um senhor indagou se ele se chamava “Aécio Campos”, fazendo uma mistura inusitada com o nome do candidato do PSDB ao Planalto, Aécio Neves.

O ex-governador de Pernambuco, no entanto, foi reconhecido por conterrâneos.“Governador, que felicidade em te ver por aqui. Sou de Vitória de Santo Antão”, disse uma vendedora ao ser abraçada por ele. “Ele é candidato a presidente”, comentou.

Segundo última pesquisa Datafolha, Campos tem 8% das intenções de voto e é desconhecido por 41% da população. Ao comentar o resultado, disse que subirá nas pesquisas após se tornar conhecido. “À medida que a campanha inicie, quem tem potencial de crescimento somos nós.”

 

Caminhadas em locais públicos são uma estratégia adotada por Campos. Ao lado de sua vice, a ex-ministra Marina Silva, ele deu início à jornada eleitoral, no domingo, fazendo uma visita a uma das maiores favelas do País, a comunidade Sol Nascente, no Distrito Federal.

 

Dobradinha. Nas placas de propaganda de Aprígio, que tentará uma vaga na Câmara, havia, além da referência a Campos e Marina, os logotipos dos tucanos Geraldo Alckmin ao governo de São Paulo e José Serra ao Senado. Candidato a vice na chapa de Alckmin, o deputado Márcio França (PSB), é um entusiasta dessa mistura.

  Também na sexta, no Cariri, no Ceará, Campos criticou o candidato tucano à Presidência, Aécio Neves. “Os outros é que vêm (ao Nordeste) agora, porque são candidatos”, disse o ex-governador, numa referência à visita de Aécio à região neste sábado. / COLABORARAM JOSÉ ROBERTO CASTRO e MADSON VAGNER

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesEduardo CamposPSB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.