Derrotados de 2010 são aposta para puxar voto

Na briga para ser vereador estão figuras como Cesar Maia, Gabeira, Tasso e Arthur Virgílio

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2011 | 03h06

Depois de comandar a cidade do Rio de Janeiro por três vezes e ser derrotado nas eleições do ano passado na disputa por uma vaga no Senado, o ex-prefeito Cesar Maia (DEM) promete ressurgir das cinzas levando a reboque uma dezena de vereadores para as 51 vagas da Câmara carioca. "Ao todo, estimamos 8 no mínimo e 11 no máximo", revela Maia, ao especificar o número de vereadores que pretende eleger no rastro de sua candidatura.

O mesmo raciocínio é usado pelos defensores da candidatura do ex-senador e hoje conselheiro da Embaixada do Brasil em Portugal Arthur Virgílio (PSDB-AM). Sem conseguir se reeleger para o Senado, o tucano cogita candidatar-se a uma das 38 vagas de vereador na Câmara Municipal de Manaus. "Se ele (Arthur Virgílio) realmente se candidatar, nós imaginamos que vamos eleger uns dez vereadores na cidade", aposta o presidente nacional do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE).

O ex-deputado Fernando Gabeira (PV) é outro que se prepara para entrar na corrida por uma cadeira na Câmara Municipal do Rio. Candidato derrotado à prefeitura da cidade, na disputa de 2008, e ao governo do Estado do Rio, no ano passado, Gabeira tem tudo para ser um grande puxador de votos nas eleições de 2012.

Mas, por enquanto, o deputado prefere manter sua candidatura em clima de suspense na tentativa de evitar que, no seu rastro, o PV decida lançar uma enxurrada de candidatos a vereador.

Indio. Depois de seu 15 minutos de fama ao tentar galgar o segundo posto mais importante da República, o vice na chapa do presidenciável tucano José Serra, nas eleições de 2010, ex-deputado Indio da Costa estuda recomeçar do zero a carreira concorrendo a uma vaga também na Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Sua candidatura é uma das apostas do PSD do prefeito Gilberto Kassab para se firmar de vez na cidade do Rio como um contraponto a Cesar Maia - de quem, aliás, Indio foi até bem pouco tempo um dos mais próximos afilhados políticos.

O ex-governador e ex-senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) é outro que poderá entrar na disputa por uma das 41 cadeiras da Câmara Municipal de Fortaleza.

Atual presidente do Instituto Teotônio Vilela, do PSDB, Tasso tenta se reerguer politicamente com o lançamento da candidatura do ex-deputado Moroni Torgan (DEM) para a prefeitura da capital cearense. / EUGÊNIA LOPES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.