Deputado quer deter casamento gay e aborto de anencéfalos

Feliciano tem projetos para reverter decisões do Supremo e diz que papel de deputado é 'extensão' da atividade como pastor

BRUNO BOGHOSSIAN, O Estado de S.Paulo

08 de março de 2013 | 02h10

Em seus dois primeiros anos de mandato, o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) apresentou projetos que tentam suspender a união civil de pessoas do mesmo sexo e a legalidade do aborto de anencéfalos - autorizados pelo Supremo Tribunal Federal.

Feliciano tentou barrar a aplicação das decisões da Corte sob a alegação de que o tema só poderia ser tratado pelo Congresso.

No texto em que questiona a união civil de homossexuais, o deputado afirma que a autorização dada pelo STF foi um "golpe". Ele evita usar a expressão "casais" - usa a expressão "duplas homossexuais".

"A menos que se reformasse a Constituição, os militantes homossexualistas jamais poderiam pretender o reconhecimento da união estável entre dois homossexuais. Isso é o que diz a lógica e o bom senso", escreveu.

Feliciano costuma citar versículos da Bíblia nos projetos que apresenta. Sua ação legislativa é marcada por propostas de interesse da bancada evangélica.

Em discurso em plenário, em outubro do ano passado, pediu que os deputados religiosos lutassem contra projetos e decisões que autorizassem o aborto e o casamento gay.

"Como pastor evangélico, encaro o mandato político como extensão do meu ministério, cuja responsabilidade maior é dignificar o nome de Jesus Cristo", disse. "A lei de Deus é só uma e vale para todos. Deus ama a todos, mas abomina o pecado."

O deputado é autor de um projeto que obriga a Casa da Moeda a inscrever a expressão "Deus seja louvado" nas cédulas de real e de outro que cria o Programa Nacional Papai do Céu na Escola.

"Precisamos resgatar o ensino religioso em nosso País de maneira sábia, simples, coerente e contínua. Queremos ver os filhos desta Nação olhando para a imensidão do cosmos e dizendo: Há um papai do céu que cuida de nós!", escreveu.

Feliciano também propõe a internação de "estupradores contumazes", com possibilidade de castração química.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.