Deputado é o titular mais jovem na Esplanada

A cinco meses de completar 34 anos, Carlos Daudt Brizola, mais conhecido como Brizola Neto, é o ministro mais jovem da Esplanada. Sem curso superior completo - ele não terminou a Faculdade de Direito, de acordo com informações do site da Câmara -, o novo titular do Trabalho está no segundo mandato como deputado federal, embora não tenha sido reeleito para a legislatura 2011-2015.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

01 de maio de 2012 | 03h04

Brizola Neto assumiu no ano passado a vaga do deputado Sergio Zveiter (PSD), que foi puxado pelo governador do Rio, Sérgio Cabral, para a Secretaria de Trabalho e Renda.

Agora, ele entra para a Esplanada com a credencial de amigo da presidente Dilma Rousseff e neto de Leonel Brizola, ex-governador do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul e símbolo do trabalhismo.

Dilma conhece Brizola Neto desde que ele era garoto. Uma das fundadoras do PDT gaúcho, a presidente sempre foi próxima da família do atual ministro. Na campanha eleitoral de 2010, o então deputado ajudou a combater os ataques desferidos a Dilma pela internet e se aproximou ainda mais dela.

Racha. Logo que foram divulgados os primeiros rumores sobre a escolha de Brizola Neto para o lugar antes ocupado por Carlos Lupi, há mais de um mês, a bancada do PDT rachou. Apesar de resistências no partido, Dilma decidiu nomear o deputado, que ganhou o apoio das centrais sindicais, importantes avalistas neste ano de eleições para as prefeituras.

Ex-vereador do Rio (2005-2009) e ex-secretário estadual de Trabalho e Renda (2011), Brizola Neto também foi presidente do diretório municipal do PDT e da Juventude do partido. Ele costuma dizer que, mesmo quando trabalhava como secretário particular do avô, aos 16 anos, nunca teve "mordomia" nem privilégio.

Informações prestadas à Justiça Eleitoral pelo novo ministro indicam que sua variação patrimonial foi negativa (menos R$ 165.495,90) entre 2006 e 2010. O valor corresponde a um decréscimo de 56,1% nos seus bens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.