Depois de intervenção no Recife, PT prega união

Um dia após a intervenção no Diretório Municipal do PT no Recife e a indicação do senador Humberto Costa como candidato à sucessão municipal na cidade, o discurso nesta quarta no Diretório Nacional da sigla era de união. Em entrevista nesta tarde, o presidente nacional da legenda, deputado Rui Falcão, disse que a intervenção foi necessária porque o tumultuado processo não produziu unidade partidária. "Estamos muito tranquilos com a nossa decisão, ela é uma maneira de conter o clima de fratricídio no Recife", justificou o dirigente. Segundo Rui Falcão, a decisão da Executiva Nacional teve o respaldo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

06 de junho de 2012 | 17h48

Humberto Costa destacou que atendeu a um pedido do partido e que agora é o momento "de se esquecer as coisas desse processo". "Venho assumir essa candidatura como uma missão, vou com a missão de unir o partido. Vou procurar João da Costa porque quero ele na minha campanha", disse o senador, após participar da reunião do Diretório Nacional da sigla, na capital paulista.

O senador admitiu que deixar o Senado Federal não é uma tarefa simples, já que, segundo ele, cumpre um papel de sustentabilidade do governo. "Não deixo o Senado achando que isso não é relevante, é relevante sim. Mas vou deixar o Senado para fazer uma coisa maior", acrescentou. Ele afirmou ainda que pretende continuar cumprindo suas funções na Casa e no Conselho de Ética, onde é relator do processo que pede a cassação do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO, atualmente sem partido). "Não vou sair para a campanha antes de ter concluído este processo", avisou.

Falcão e Humberto Costa negaram que a intervenção da Executiva Nacional tenha sido uma condição imposta para o apoio do PSB à campanha de Fernando Haddad em São Paulo. "Em nenhum momento, o governador Eduardo Campos (presidente nacional do PSB) mencionou alguma cidade de Pernambuco (para apoiar Haddad em São Paulo)", disse Falcão. De acordo com o senador, o PT deve se aliar ao PSB no Recife. "No Recife, ele (Campos) tem todo interesse em manter a aliança."

O processo de escolha do candidato no Recife foi marcado por denúncias de irregularidades, em prévias realizadas entre o atual prefeito João da Costa e o secretário estadual de governo Maurício Rands (PSB), que abriu mão da disputa em favor de Humberto Costa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.