REUTERS/Diego Vara
REUTERS/Diego Vara

Site do movimento Democracia Sim sofre ataque cibernético

Grupo havia lançado um manifesto assinado por 200 personalidades de várias áreas e orientações políticas contra a candidatura de Jair Bolsonaro nas eleições 2018

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2018 | 23h07

A página do movimento Democracia Sim, de oposição à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições 2018, sofreu um ataque cibernético nessa terça-feira, 25. Segundo integrantes do movimento, robôs foram usados para sobrecarregar e derrubar o site. Em nota, o movimento acusa simpatizantes de Bolsonaro pelo ataque.

"Enquanto debatem se devem ou não se comprometer com a democracia, seus apoiadores covardemente atacaram o site Democracia Sim para impedir que ainda mais pessoas pudessem endossar o manifesto", diz a nota.

Segundo o cientista político Ricardo Borges Martins, um dos organizadores do movimento, até hoje o site havia colhido 220 mil assinaturas. Um "compartilhaço" estava previsto para a tarde desta terça-feira mas foi adiado por causa do ataque. "A gente está em defesa da liberdade de expressão e do respeito à democracia e nos atacam dessa forma", lamentou o cientista político. 

O movimento lançou um manifesto no domingo, 23, assinado por 200 personalidades de várias áreas e orientações políticas, entre eles Maria Alice Setúbal, educadora e acionista do Itaú Unibanco; do economista Bernard Appy; do empresário Guilherme Leal, sócio da Natura; do advogado e professor da FGV Oscar Vilhena;  do médico Drauzio Varella e do cantor Caetano Veloso e sua empresária, Paula Lavigne.

Leia a íntegra da nota do Democracia Sim:

"No último domingo, um amplo grupo de lideranças da sociedade civil, acadêmicos, empresários, artistas lançou um manifesto reconhecendo que tem muitas diferenças, mas que deveriam se unir diante da grave ameaça à democracia representada pela possível eleição do candidato Jair Bolsonaro.

As 250 assinaturas iniciais se transformaram em mais de 200 mil em menos de 48h.

Num primeiro momento a campanha de Bolsonaro decidiu menosprezar o movimento, atacando alguns de seus signatários. Na sequência, diante da crescente repercussão do documento, ventilou na imprensa que iriam escrever um manifesto de compromisso com as regras democráticas. Enquanto debatem se devem ou não se comprometer com a democracia, seus apoiadores covardemente atacaram o site Democracia Sim para impedir que ainda mais pessoas pudessem endossar o manifesto.

A truculência e opção pelo uso de meios ilegais para tirar o direito das pessoas se manifestarem só reforçam a preocupação de risco à democracia que representa a chegada deste grupo ao poder.

Conseguiram atrasar por algumas horas o crescimento do movimento pela Democracia, mas não vão impedir que a voz da sociedade seja ouvida. #elenao #democraciasim"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.