DEM vê em filho de Luís Eduardo Magalhães herdeiro do carlismo

Duquinho, porém, já rasgou carteirinha de filiação ao partido e prefere tocar negócios no carnaval baiano

LEONENCIO NOSSA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2012 | 03h02

Na semana passada, dirigentes do DEM estiveram em Salvador para lançar a candidatura do deputado federal Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM), 33 anos, à prefeitura da cidade. ACM Neto perdeu a disputa municipal em 2008, mas não tem motivos para se queixar. Foi eleito três vezes deputado, com a maior votação no Estado. Os aliados do seu avô, ACM, morto há cinco anos, se queixam do estilo pouco agregador do parlamentar. E tentam, agora, sobreviver à queda do "carlismo", grupo que dominou 90% dos 417 municípios da Bahia. Diferentemente do avô, lembrado por gestos truculentos, ACM Neto é visto como um político ponderado e equilibrado.

O presidente nacional do DEM, senador Agripino Neto (RN), disse, no lançamento da candidatura, que o deputado era um "Antonio Carlos melhorado". Mas os gestos afáveis não diminuem críticas de aliados, que o classificam de simpatizante do "bloco do eu sozinho".

É na própria família Magalhães que antigos aliados de ACM veem a alternativa para oxigenar o grupo - o empresário Luís Eduardo Magalhães Junior, o Duquinho, 30 anos, primo de ACM Neto, é cortejado para reforçar candidaturas na Bahia.

Carnaval. Com apelido menos pomposo que o do primo, Duquinho é empresário do carnaval, amigo de Ivete Sangalo e tem boa relação com o governador Jacques Wagner (PT). Quando alguém lembra das raízes familiares, é para ressaltar a capacidade de diálogo do pai, o ex-deputado Luís Eduardo Magalhães, morto em 1998. Em setembro passado, o "descolado" Duquinho rasgou a carteirinha de filiado do DEM para deixar claro que não tinha projeto político a curto prazo.

A decisão causou tumulto na Bahia. O pré-candidato do PT à prefeitura, deputado federal Nelson Pelegrino, chegou a dizer que considerava a "possibilidade" de compor chapa. A suposta aproximação política de Duquinho com adversários dos Magalhães causou constrangimento. "Foi tática para desviar do foco", avaliou ACM Neto.

O deputado observou que o primo mantém relações empresarial e institucional com o governo Jaques Wagner e lideranças do PT. "Não confundo o empresário e o político. Nem filiação partidária ele tem", ressalta. "Ele é meu amigo. Está conosco", disse, com voz firme e pausada.

Duquinho e as irmãs Paula e Carolina detêm 33% da Rede Bahia, conglomerado de emissoras de rádio e TV e até construtora, deixado pelo senador. ACM Filho, pai de ACM Neto, e Teresa Magalhães, filha do senador, são os outros sócios. Mas foi no carnaval que Duquinho se projetou. Ele é um dos donos da empresa Premium Entretenimento, organizadora do Camarote Salvador, que emprega 1.500 pessoas na folia e virou parada obrigatória de empresários, políticos e turistas de classe média alta.

ACM Neto e Duquinho costumam se desentender nos encontros sobre o rumo da Rede Bahia, mas em público não demonstram divergências. Quando a tia Teresa e o marido, o empreiteiro Cesar Mata Pires, tentaram controlar a rede, os primos se uniram. A pessoas próximas, ACM Neto e Duquinho costumam se elogiar. Mas as características pessoais e a aliança de amigos os colocam em campos opostos, ao menos no imaginário político baiano.

Retrógrado. Duquinho não fala sobre política. Ele afirma, por exemplo, que não aceita dar continuidade a uma "dinastia", pelo simples fato de o termo significar algo "retrógrado". Numa terra onde o carnaval é a marca, sua "renúncia ao trono" em nome da vida pessoal só aumentou sua influência política. O deputado e ex-prefeito de Salvador Antônio Imbassahy diz que Duquinho herdou do pai a "cordialidade". "Isso ajuda na aproximação com governos e adversários políticos da família."

Cansado de ouvir lamentações de vereadores e prefeitos em busca de apoio, o ex-deputado federal e atual presidente do DEM na Bahia, José Carlos Aleluia, afirma que o "amigo" Duquinho tem espaço na política. "Ele tem me dito que não quer, mas em política tudo é possível", diz. "E, se quiser ser político, será bem sucedido, no estilo do pai, que conversava com o PT." Aleluia deixa claro, porém, que ACM Neto continua sendo a aposta do grupo: "A Bahia precisa de lideranças novas. Ele (Duquinho) e ACM Neto são complementares, tem espaço para os dois".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.