DEM admite apoio a Aécio, mas cobra cargos em governos

O DEM pretende negociar com Aécio Neves (PSDB) o apoio a sua candidatura à Presidência da República, mas deve cobrar uma participação maior da sigla em governos estaduais controlados pelos tucanos para afastar o partido da órbita de outro presidenciável, o governador pernambucano Eduardo Campos (PSB).

O Estado de S.Paulo

19 de março de 2013 | 02h08

Desentendimentos nas eleições de 2012 afastaram DEM e PSDB em alguns Estados, levando líderes democratas a defenderem o apoio da sigla a Campos.

O presidente nacional do DEM, José Agripino, marcou uma reunião com Aécio esta semana para se reaproximar do PSDB e cobrar cargos para a sigla nos governos de Minas Gerais, São Paulo e Paraná, comandados pelo PSDB. O partido quer negociar com o próprio Aécio na presidência do PSDB - e não com Serra. /B.B

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.