Delúbio 'contabiliza' imóveis na internet

Ex-tesoureiro do PT abre escritório em Brasília

ANDREZA MATAIS / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2013 | 02h11

O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares é o mais novo empresário bem-sucedido da internet. Depois de Goiânia e São Paulo, Delúbio expandiu os negócios com uma filial de sua empresa em Brasília - duas salas num endereço estratégico, próximo do Congresso, do Palácio do Planalto e dos ministérios.

A Geral Imóveis consiste num site de venda e aluguel de imóveis e terrenos. As imobiliárias pagam para anunciar apartamentos, casas e salas comerciais.

"Contar com a assessoria de um corretor de imóveis para realizar um negócio imobiliário é essencial", escreveu o ex-tesoureiro em sua página no Facebook a 19 de agosto - um dos poucos posts sobre seu negócio, que ele normalmente não cita no blog.

Três dias depois do post, o Supremo Tribunal Federal rejeitou, por unanimidade, embargo de declaração apresentado por Delúbio e manteve a pena de 8 anos e 11 meses de prisão por seu envolvimento no esquema do mensalão. Delúbio foi o responsável pelas finanças do PT durante a campanha presidencial 2002 e, segundo o Ministério Público, teria montado com Marcos Valério o esquema de pagamento a parlamentares para que votassem propostas de interesse do governo.

O escritório em Brasília funciona há um mês no edifício Executive Office Tower Brasília. A Geral existe desde 2007. As duas salas, que somam 60 metros quadrados, são alugadas da União Administração de Bens Ltda., empresa da família Constantino - que também é dona da Gol e de empresas de ônibus. A sede da União fica em São Bernardo do Campo.

O aluguel sai em torno de R$ 2 mil por sala, segundo corretores. O escritório de Brasília tem uma secretária e um gerente-geral. "Você pode me ligar depois", disse ao Estado o gerente Carlos Dantas, que, em seguida, desligou o celular. Segundo pessoas próximas a Delúbio, a empresa é a fonte de renda do ex-tesoureiro depois do escândalo. O advogado dele no processo, contudo, é pago pelo PT.

Má gestão. O talento para os negócios contrasta com a opinião do PT sobre o jeito Delúbio de administrar. Em 2012, o PT acusou o ex-tesoureiro de "má gestão" das contas do partido e o responsabilizou pelas "graves dificuldades no comando da agremiação" durante dois anos do mensalão (2004 e 2005).

As afirmações foram anexadas pelo PT ao processo de julgamento das contas da legenda referentes a 2005. "Delúbio adotou procedimentos próprio que sequer cumpriam as exigências contidas no próprio estatuto do partido. Tampouco haviam sido autorizadas pela direção", diz um texto do partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.