Delta consegue novo aumento de contrato no PA

Suspeita de envolvimento no esquema do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira e declarada inidônea pela Controladoria-Geral da União (CGU), a Delta Construções arrancou do governo mais um reajuste no valor de um contrato. A empresa conseguiu elevar de R$ 16 milhões para R$ 21,8 milhões o valor para a execução de melhorias do trecho paraense da BR-163.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2012 | 03h01

O acréscimo foi anunciado na edição de ontem do Diário Oficial da União (DOU). A obra é supervisionada pela Superintendência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) no Pará. Em junho deste ano, a CGU declarou a Delta "inidônea", ou seja, impedida de assinar novos contratos com a administração pública - de janeiro até junho, a empreiteira obteve R$ 33 milhões só em aditivos contratuais do governo.

A decisão não impediu, porém, que a construtora conseguisse novos reajustes nos contratos já existentes. A assessoria da CGU ressaltou ontem que a portaria publicada em junho prevê que os casos devem ser analisados separadamente, para não prejudicar o andamento das obras. Já a assessoria do DNIT informou que o acréscimo de recursos publicado no DOU refere-se a um aumento de valor decorrente de prorrogação de prazo do contrato com a Delta, que ocorreu em fevereiro, quatro meses antes da decisão da controladoria. À época, o contrato foi prorrogado até fevereiro de 2013.

"Há um plano de trabalho para manutenção; como o prazo foi ampliado, há um aumento do valor a ser pago", destacou a assessoria. O DNIT informou que a Superintendência do Pará elabora um plano que prevê a contratação de uma outra empresa, que só substituirá a Delta no ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.