Delegado 'Jesus Cristo' é ouvido em São Paulo

Em São Paulo, a Comissão Municipal da Verdade Vladimir Herzog deve ouvir hoje o delegado Dirceu Gravina. Ele atuou na seção paulista do Departamento de Operações de Informações (DOI), vinculado ao 2.º Exército, entre 1971 e 1972, e tem sido apontado por ex-presos políticos como autor de torturas.

Roldão Arruda, O Estado de S.Paulo

25 Março 2014 | 02h07

Na época em que esteve no DOI, o delegado de polícia civil ficou conhecido pelo codinome JC, de Jesus Cristo, por causa dos cabelos longos. O uso de codinomes era comum entre os agentes públicos, militares e civis que atuavam nos serviços de informação e repressão política. O coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, que chefiou a seção paulista do Destacamento de Operações de Informações (DOI), era conhecido como Major Tibiriçá. O delegado Aparecido Laerte Calandra, outro policial civil que atuou naquele departamento, era o Capitão Ubirajara.

A audiência com o delegado, que confirmou a presença, está marcada para as 11 horas, na sede da Câmara, na região central da cidade. Segundo informações do presidente da comissão, vereador Gilberto Natalini, o delegado, ao receber o convite para depor, teria concordado imediatamente. "Ele disse que há muito tempo espera a oportunidade de dar sua versão para os fatos", contou Natalini.A comissão não tem o poder de convocar testemunhas, como ocorre com a Comissão Nacional da Verdade.

Gravina já negou envolvimento direto em casos de tortura. Alegou que trabalhava no setor de análise das informações obtidas nos interrogatórios e tentou, sem sucesso, deixar o DOI-Codi na época em que lá atuou.

A comissão também deve ouvir hoje ouvir das ex-presas políticas Lenira Machado e Rita Sipahi, que devem denunciar Gravina por tortura. Os depoimentos estão marcados para as 9 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.