Delator do esquema temia ser assassinado

O ex-auditor do TCU Cyonil Borges fez uma procuração em nome da mulher e pediu que Paulo Vieira desistisse de lhe fazer 'algo de ruim'

DÉBORA BERGAMASCO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2012 | 02h01

O ex-auditor do Tribunal de Contas da União Cyonil da Cunha Borges de Faria Junior teve medo de ser morto pela quadrilha do diretor afastado da Agência Nacional de Águas, Paulo Rodrigues Vieira, mesmo antes de delatar o esquema de corrupção que deu origem à Operação Porto Seguro.

Inseguro, ele fez uma procuração em nome da mulher, Vanessa de Faria, para o caso de algo de ruim lhe acontecer, de acordo com o depoimento dela à Polícia Federal. Ele também pediu que Paulo Vieira desistisse de lhe fazer algum mal, de acordo com e-mails interceptados pelos investigadores.

Um ano antes de oferecer a notícia-crime à Superintendência da PF em São Paulo, o ex-auditor trocou mensagens com Paulo Vieira dizendo nunca antes ter se sentido tão mal na vida. Disse que já não dormia e que andava "muito preocupado com os últimos acontecimentos".

"Brother, se eu fiz algo de ruim contra alguém que você gosta ou algo do tipo, por favor, seja expresso. Vamos tentar resolver de outra forma", pediu Cyonil. E continuou: "Fico pensando as mais diversas coisas (...) Não sei se o amigo está pensando em fazer, mas se algo de ruim, por favor, desista! Sério, não sou uma pessoa ruim". Também pediu informações sobre Paulo alegando precisar conferir suas histórias. "Estou muito grilado... perdão por desconfiar um pouco de você, mas sua tranquilidade me assusta".

Casado com Cyonil há dez anos, Vanessa contou à polícia um episódio em que Paulo Vieira, em abril de 2010, interfonou diversas vezes para o apartamento do casal querendo subir. Ela pensava tratar-se do "editor de livros" do marido - que já teve três obras publicadas -, mas não sabia que, naquele caso, "livro" era um codinome para "propina".

Entre 2009 e 2010, estranhando o comportamento do marido, Vanessa vasculhou a casa em busca de algum indício de que Cyonil a traía. E encontrou um envelope com R$ 50 mil. Ela disse ter indagado o marido sobre o dinheiro e teve como resposta que se tratava de recebimentos por cursos que ele havia dado.

Vanessa contou à PF que pensou que o marido daria o dinheiro para alguma amante e em oito meses gastou, escondido, R$ 45 mil. Cyonil ficou furioso e ao receber a segunda parcela da propina sustentou para a mulher que a origem do dinheiro era o curso. O casal gastou todo o montante. Segundo ela, após a denúncia, Cyonil fez um empréstimo de R$ 100 mil para devolver à Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.