Pedro Venceslau / Estadão
Pedro Venceslau / Estadão

Deixamos de lado interesses pessoais, diz ACM Neto ao oficializar apoio a Alckmin

Todos os partidos que compõe essa aliança tinham pré-candidatos, lembra prefeito de Salvador em ato do Centrão

Renan Truffi, Camila Turtelli e Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2018 | 12h43

Os partidos do Centrão - PP, PR, PRB, DEM e Solidariedade - oficializaram nesta manhã em Brasília seu apoio à pré-candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República nas eleições 2018. O líder do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto, disse que não é possível apoiar um candidato “querendo genuinamente votar em outro”, em uma clara referência à longa novela da aliança do bloco que chegou a pender para Ciro Gomes (PDT). “Nesses dias de muita reflexão e dúvidas, é natural que tenhamos dúvidas”, disse ACM. “Temos de ouvir o coração na política também”, afirmou o deputado.

ACM também fez referências sobre um possível racha no bloco, o que foi especulado nos últimos dias. “Todos os partidos que compõe essa aliança tinham pré-candidatos e fomos capazes de deixar de lado as questões internas de cada partido para promover uma aliança que foi encarada por muitos com ceticismo e desconfiança, ouvíamos que esse bloco iria se dividir”, disse.

A aliança, segundo ele, teve espírito público e sentimento de brasilidade. “Foi com esse espírito que chegamos até aqui para convergir em torno de Alckmin”, disse.

O líder dos democratas também agradeceu o empenho de Rodrigo Maia como pré-candidato. Mais cedo, o próprio ACM leu uma carta de Maia desistindo do posto. “Rodrigo vem dando contribuição imprescindível para a estabilidade democrática”, disse. Ele disse ainda que o presidente da Câmara foi a síntese da capacidade de diálogo e construção coletiva.

Do PRB, Marcos Pereira, afirmou que o Brasil precisa ser encarado hoje de forma realista e esperançosa e que o partido realizou pesquisas para escolher quem apoiar. Segundo ele, 72% dos entrevistados disseram que o próximo presidente precisa ser conciliador. “São Paulo está no azul e Alckmin vai fazer o País voltar ao azul também, rumo à conciliação”, disse. “O Brasil não pode mais flertar com extremos”, disse.

O líder do Solidariedade, Paulinho da Força, afirmou em seu discurso que “para tirar o País do buraco só um conjunto de forças como essa”. “Nós precisamos reconstruir essa organização sindical”, disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.