Deficiência visual severa atinge 3,5% da população

O Censo revela que 17,7 milhões de brasileiros, ou 6,7% da população, declararam possuir pelo menos uma deficiência "severa". Em 2000, o índice foi de 4,2%. Já o porcentual de brasileiros que declararam possuir ao menos uma deficiência chegou a 23,9% em 2010, ante 14,3% em 2000.

RIO, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2011 | 03h02

A pesquisadora Eliane Xavier ressalta que houve uma mudança na forma de fazer as perguntas e que isso pode ter provocado o aumento. A pergunta sobre deficiência visual no Censo 2000, por exemplo, era: "Como você avalia a sua capacidade de enxergar?". Em 2010, mudou para: "Você tem alguma dificuldade para enxergar?".

Em relação à deficiência motora, a pergunta mudou de "Como você avalia a sua capacidade de caminhar ou subir degraus?" (2000) para "Tem dificuldade permanente de caminhar ou subir degraus?" (2010). "Certamente o envelhecimento da população está ligado ao aumento de deficiências, mas em dez anos não faria tanta diferença", diz a presidente do IBGE, Wasmália Bivar.

Para as deficiências visual, auditiva e motora foram verificados os graus de severidade: "alguma dificuldade", "grande dificuldade" e "não consegue de modo algum". As pessoas agrupadas na categoria "deficiência severa" são aquelas que declararam para um tipo ou mais de deficiência as opções "grande dificuldade" ou "não consegue de modo algum", além daquelas que declararam possuir deficiência mental.

A deficiência visual severa foi a que apresentou maior incidência: 3,5% declararam possuir grande dificuldade ou nenhuma capacidade de enxergar, ante 1,5% em 2000. A deficiência motora severa foi a segunda maior, apontada por 2,3% dos que declararam possuir esse tipo de problema. Em 2000, o índice foi de 1,4%. Já porcentual de pessoas com deficiência auditiva severa aumentou de 0,6% para 1,1%. A deficiência mental foi a única que apresentou redução, passando de 1,7% da população em 2000 para 1,4% em 2010. / L.N.L. e F.W..

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.