Defesa pede e juíza autoriza 'blindagem' a Rose no fórum PPS vai solicitar quebra de sigilo

Advogado diz que acusada está com 'pânico' de ser fotografada; magistrada permitiu que ela entrasse e saísse pela garagem

O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2013 | 02h08

A ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo Rosemary Noronha foi ontem à Justiça Federal, às 15h50, para assinar termo de comparecimento perante a 5.ª Vara Criminal Federal. Acusada na Operação Porto Seguro de integrar quadrilha para venda de pareceres técnicos de órgãos públicos, Rose não ficou nem 10 minutos no fórum federal. Autorizada pela juíza Adriana Zanetti ela entrou e saiu pela garagem do prédio.

A juíza permitiu que o acesso de Rose se desse pela entrada de veículos atendendo pedido da defesa. O argumento apresentado foi de que Rose está constrangida com a ampla exposição a que vem sendo submetida desde que a operação foi deflagrada, em 23 de novembro, pela Polícia Federal e pela Procuradoria da República. A defesa disse que Rose "está com pânico" de ser fotografada.

"A Justiça não socorre aos que dormem", disse a juíza, ao comentar que foi a defesa quem pediu que a entrada e saída de Rose ocorresse pela garagem.

Ainda ontem, algumas horas antes da chegada de Rose, também esteve no Fórum Federal o ex-diretor de Hidrologia da Agência Nacional de Águas (ANA) Paulo Rodrigues Vieira, igualmente acusado de fazer parte da organização. Ele chegou à 5.ª Vara por um elevador destinado ao público. A juíza anotou que atenderia a eventual pedido de Paulo se ele tivesse solicitado a mesma condição dada a Rose.

"Eu decido", disse a juíza. "Não posso permitir que fotografem no fórum uma pessoa que não quer ser fotografada. (Rose) alegou que não suporta mais ver fotos dela toda hora. Já tive muitos réus famosos aqui e todos me pediram (para não ser fotografados pela imprensa). Dei ok. Tenho que preservar o direito à imagem dos réus."

Quando Rose deixava a secretaria da 5.ª Vara para tomar o elevador, acompanhada da advogada Camila Nogueira Gusmão Medeiros, jornalistas a abordaram. Houve tumulto porque Rose achou que tinha sido fotografa por celular. A juíza Adriana Zanetti ordenou que quatro repórteres fossem à sala de audiências onde foi redigido termo de deliberação, no qual ela advertiu que se for publicada foto de Rose no fórum "serão imediatamente adotadas as medidas necessárias à responsabilização por crime de desobediência".

Rose terá de comparecer novamente ao fórum a cada 15 dias, por ordem judicial. Ela foi denunciada pela Procuradoria pelos crimes de falsidade ideológica, tráfico de influência, corrupção ativa e formação de quadrilha. / F.M. e B.B

O PPS vai solicitar amanhã ao Ministério Público Federal de SP a quebra dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático de Rosemary Noronha, ex-chefe do gabinete da Presidência da República no Estado. A representação será entregue pelo deputado Rubens Bueno, líder do PPS na Câmara. A sigla diz que a quebra dos sigilos é importante para aprofundar investigações sobre a influência dela no governo federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.