Defesa de Maluf afirma que vai recorrer a instâncias superiores

Advogado afirma que decisão do TJ não impede deputado de disputar a próxima eleição

Fausto Macedo e Mateus Coutinho - O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2013 | 02h04

A defesa de Paulo Maluf afirma que a decisão do TJ não o impede de participar das próximas eleições. Os advogados de Maluf destacam que o artigo 1.º da Lei 135/2010 prevê que um político só pode ser barrado pela Ficha Limpa quando condenado por improbidade e enquadrado em cinco situações de forma cumulativa, entre elas enriquecimento ilícito e dolo. "A ausência de qualquer uma dessas características faz com que a condenação não se enquadre na Ficha Limpa. O TJ não condenou o deputado por ato doloso, como não o condenou por enriquecimento ilícito", dizem os advogados Eduardo Nobre e Patrícia Rios. "Eventual enquadramento na Ficha Limpa só poderá ser analisada pela Justiça Eleitoral."

Os advogados observam que a suspensão de direitos políticos por cinco anos somente tem efeito após o trânsito em julgado. Maluf vai recorrer ao Superior Tribunal de Justiça e ao STF.

A CBPO reafirmou "não ter praticado irregularidade na condução do contrato para construção do Túnel Ayrton Senna, ressaltando que todos os valores recebidos correspondem a serviços efetivamente prestados".

"A acusação do Ministério Público não foi comprovada na perícia realizada por determinação judicial. A regularidade do contrato ficará esclarecida ao longo do processo judicial."

A Constran destacou que vai recorrer "por não concordar com o teor da decisão". "A direção da empresa informa que a Constran não pertencia aos atuais acionistas na época dos acontecimentos."

O promotor José Carlos Blat avalia que a decisão do TJ representa "vitória importante do Ministério Público contra a corrupção". Blat faz uma ressalva. "Infelizmente, a legislação é ineficiente. A Lei da Ficha Limpa, nesse aspecto, se torna ineficaz para aplicação no caso em concreto."

Tudo o que sabemos sobre:
Paulo Maluf

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.