Defesa de deputado diz que argumentos são 'equivocados'

Para Alberto Zacharias Toron, advogado de defesa de João Paulo Cunha, o voto de Joaquim Barbosa "se baseia em premissas absolutamente equivocadas".

O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2012 | 03h02

Toron disse que o "equívoco" começa pela questão da contratação da SMPB, agência de publicidade de Marcos Valério, pela Câmara, quando o presidente da Casa era João Paulo. "Dos quase R$ 11 milhões (valor do contrato), o ganho da SMPB foi pouco superior a R$ 1 milhão, mas 90% do valor diz respeito a comissões por veiculação de publicidade", alegou. "O relator inverteu as coisas, criou paralelos falsos."

Marcelo Leonardo, que defende Marcos Valério, não quis se pronunciar sobre o teor do voto de Barbosa. "Não posso fazer comentários sobre o voto em relação ao qual a defesa não tinha expectativas. Prefiro aguardar os outros 10 votos." / F.M. e F.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.