Defesa afirma que engenheiro não tem vínculo partidário

O criminalista Luiz Fernando Pacheco, que defende o engenheiro João Roberto Zaniboni, informou que o ex-diretor de operações e manutenção da CPTM não tem qualquer vínculo político partidário. "Zaniboni é um técnico altamente capacitado, especialista no setor ferroviário. Não é filiado a nenhum partido."

Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2013 | 02h06

O advogado disse que os valores depositados na conta de Zaniboni tiveram origem em serviços de consultoria que ele prestou - antes mesmo de tomar posse no cargo de direção da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos - para Arthur Gomes Teixeira e Sérgio Meira Teixeira, ambos apontados pelo Ministério Público como lobistas da Alstom.

Pacheco informou que o ex-diretor da CPTM não tem cópia dos contratos de consultoria. "Não tem contrato", disse o criminalista. Ao Ministério Público, o próprio Zaniboni admitiu que não tem cópias da consultoria.

Convocado para depor perante a Controladoria-Geral da Administração (CGA) do governo Geraldo Alckmin, o engenheiro não compareceu.

Tudo o que sabemos sobre:
cptmcartelmetrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.