Debate sobre 'nova política' é 'bolorento', afirma ministro

Ao lado de Dilma, Aguinaldo Ribeiro alfineta Marina e Campos e diz que é o atual governo que representa o novo

Tânia Monteiro e Rafael Moraes Moura / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2013 | 02h07

Ao lado da presidente Dilma Rousseff, o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, tentou rebater nessa quinta-feira, 24, em evento no Palácio do Planalto, o discurso da "nova política" adotada pela ex-ministra Marina Silva e seu novo aliado, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, ambos do PSB. "A cerimônia desta quinta é mais um passo na direção do novo, que muitos procuram vender e encarnar, mas que de fato este governo tem conseguido transformar em realidade, disse o ministro em evento no qual Dilma anunciou R$ 13,5 bilhões para obras de saneamento e pavimentação em 1.198 cidades do Brasil.

"Nos próximos meses vamos assistir a um dos mais velhos, antigos e bolorentos debates neste País. O debate sobre o que é novo e o que é velho na vida pública brasileira", disse Ribeiro.

Microblog. Antes do evento, presidente já havia usado o Twitter para comentar o investimento. "Saneamento é obra escondida. Depois que você faz, ela desaparece, mas ela aparece nos dados de saúde pública", escreveu a presidente.

Na cerimônia do Planalto, depois de ouvir e ajudar os prefeitos que lotavam o salão nobre a aplaudir as estocadas de Aguinaldo Ribeiro à dupla Marina-Campos, a presidente endossou a disputa entre o "novo" e o "velho", dizendo que seu governo representa "o novo", porque "tem foco". "São várias áreas: vai de saneamento até petróleo, vai de médico até pavimento, pavimentação. Mas tem um foco e o foco é que nós temos de garantir qualidade de vida, e isso significa serviços públicos, infraestrutura para nossa população", disse a presidente.

O tom adotado pelo ministro das Cidades foi uma "grata surpresa" para auxiliares da presidente. Aguinaldo Ribeiro comanda a pasta que centraliza os principais investimentos pleiteados pelos prefeitos. / COLABOROU RICARDO DELLA COLETTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.