Debate em SP tem clima tenso também na platéia

Não foi apenas entre os dois candidatos à Prefeitura de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM) e Marta Suplicy (PT), que o clima ficou tenso durante o debate de ontem na TV Bandeirantes. Também na platéia, apoiadores dos dois lados tiveram momentos de exaltação. Gritos, risadas, aplausos e até xingamentos obrigaram o mediador do debate na TV Bandeirantes, Bóris Casoy, a pedir moderação ao auditório pelo menos quatro vezes. Quando Kassab citou um benefício do Bilhete Único que valeria para 12 mil usuários, a fala provocou risos entre petistas, que ironizaram a extensão do serviço. "De 6 milhões de usuários, ele cadastrou 12 mil." Sobrou também para Marta. Diante das críticas da ex-prefeita ao histórico do partido de Kassab, a deputada federal Zulaiê Cobra (sem partido, mas apoiadora do democrata), não se conteve. "Vá plantar batatas!", gritou Zulaiê da platéia.Mas o que irritou mesmo os petistas foram dois pedidos de direito de resposta feitos por Marta e negados pela comissão de juristas da TV. Uma solicitação semelhante feita por Kassab fora aceita pouco antes. O coordenador de campanha da petista, deputado federal Carlos Zarattini (PT), viu a uma tentativa de "prejudicar" a candidata. Incomodou também o fato de um repórter da Band, em vídeo exibido pouco antes do debate, ter dito para os telespectadores "relaxarem" para assistir o programa. Alguns entenderam como uma referência indireta à famosa frase de Marta, que em meio a crise aérea, como ministra do Turismo, aconselhou aos passageiros: "Relaxa e goza". O ex-secretário de governo da petista, Rui Falcão, se disse "indignado com a parcialidade da Band".No flanco kassabista, o clima de apreensão diante das duras críticas da petista amainou ao longo do debate. Ganhou corpo então um tom de comemoração. Ao final do debate, o vice-governador, Alberto Goldman (PSDB), que comemorava seu aniversário, deu um abraço no democrata. "Muito obrigada pelo presente", agradeceu Goldman, elogiando o desempenho de Kassab. Com o apoio formal do PSDB à candidatura de Kassab, tucanos que antes o combatiam uniram-se ao secretário municipal de Esportes, Walter Feldman, porta-voz dos tucanos kassabistas desde o 1º turno. Foi o caso do presidente do PSDB municipal, José Henrique Reis Lobo, que justificou a ausência de um dos principais líderes de seu partido e apoiadores de Kassab, o governador José Serra. "Ele disse que prefere ver pela TV, em casa, mais tranqüilo."Avaliação Apesar da artilharia lançada entre os candidatos, os dois avaliaram ter marcado diferenças entre si no debate. Marta disse ter se "permitido" subir o tom em debates e retomou a ofensiva. "Os campos estão demarcados. Gilberto Kassab é do PFL. Não adianta se travestir de PSDB."Kassab evitou revides petista e minimizou as acusações de Marta de que seria pouco conhecido pelos paulistanos. "Tenho quase 20 anos de idade a menos que a candidata Marta e, portanto, não ocupei tantos cargos quanto ela na vida pública, mas todos têm o seu começo." O democrata justificou ter citado o episódio do mensalão para servir de "reflexão" para Marta, "para que ela volte ao tema da campanha e debata propostas". Marta, por sua vez, mesmo tendo começado boa parte dos embates, lamentou na saída da emissora a falta de aprofundamento de propostas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.