De olho em aliança, prefeito negocia até vaga no TCM

Após doar um terreno no centro de São Paulo para o instituto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o prefeito paulistano, Gilberto Kassab (PSD), fez outro aceno em favor das alianças para outubro: indicará o presidente do PR paulistano, vereador Antonio Carlos Rodrigues, para uma cadeira no Tribunal de Contas do Município (TCM).

O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2012 | 03h04

A nomeação de Rodrigues é bem vista por petistas que querem que o PSD indique o vice de Fernando Haddad (PT) na eleição para a Prefeitura paulistana. Porém ela também atende a interesses diretos de Kassab, que contaria com um conselheiro aliado no momento da análise das contas de sua gestão.

O PT tenta atrair o PR para a coligação e um dos atrativos era a cadeira no Senado de Marta Suplicy (PT) - Rodrigues é o primeiro suplente da ex-prefeita.

Mas, como Marta deve continuar no Congresso - havia a possibilidade de ela ir para um ministério -, a negociação envolvendo o TCM serviu como saída para prestigiar o vereador. Além disso, fez do petista Paulo Frateschi o próximo na lista de suplência de Marta no Senado.

A negociação também esvaziaria o argumento contra a aliança com Kassab, partida principalmente de ex-integrantes do governo Marta. Para esse grupo, a aliança com o PR na vice de Haddad faria dispensável o acordo com o PSD. O partido de Rodrigues tem tempo de TV no horário eleitoral, algo que a legenda de Kassab ainda não detém.

Com Kassab e Rodrigues alinhados, no entanto, ficaria mais difícil, na avaliação de petistas, dispensar a legenda do prefeito. Kassab poderia levar o PR para apoiar a candidatura do vice-governador Guilherme Afif Domingos (PSD), sua opção caso não saia o acordo com o PT.

Kassab disse que indicará Rodrigues para conselheiro do tribunal, cargo que tem salário de cerca de R$ 24 mil, por seu "perfil técnico". O vereador assumirá a vaga do vice-presidente, Antonio Carlos Caruso, que se aposentou, ou a do conselheiro Eurípedes Sales, que pode antecipar a aposentadoria para ceder a cadeira.

Na semana passada, Kassab doou terreno para Lula fundar o Memorial da Democracia. Tanto o prefeito quanto os petistas negaram que a cessão tenha sido um afago com fins eleitorais, mas é evidente a aproximação entre as siglas. / J.D. E D.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.