Instagram/@davialcolumbre/Divulgação
Instagram/@davialcolumbre/Divulgação

Davi Alcolumbre vota em Macapá e fala de 'tranquilidade' no processo eleitoral

Presidente do Senado tem o irmão, Josiel Alcolumbre (DEM) na liderança das pesquisas de intenção de votos para a prefeitura

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2020 | 15h56

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), votou mais cedo neste domingo, 6, em Macapá (AP). Seu irmão, Josiel Alcolumbre (DEM), é candidato à prefeitura da cidade e aparece na liderança das pesquisas de intenção de votos.

As eleições foram adiadas em razão da crise de energia que atingiu o Amapá em novembro, com um apagão que deixou o Estado no escuro por quase quatro dias, seguido por um período de 20 dias de racionamento até que o fornecimento fosse normalizado.

"O que nós vemos hoje, em todos os locais de votação, é a liberdade, com muita tranquilidade. Essa liberdade de exercer o voto, com seriedade, transparência, é o que a gente espera", disse Alcolumbre, em nota enviada pela sua assessoria de imprensa.

A decisão de adiar as eleições no Amapá foi tomada pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso. O acerto se deu após uma conversa reservada com o Davi Alcolumbre, como revelou o Estadão.

"A democracia brasileira, forte e destemida, se consolida hoje. Como cidadão macapaense, exerço meu direito de voto. Mas, ao mesmo tempo como senador e presidente do senado, exalto a participação de todos no processo. A democracia é o pilar mais importante da sociedade", diz ainda Alcolumbre na nota.

A última pesquisa Ibope, divulgada na sexta-feira, 4, apontou Josiel Alcolumbre na liderança, com 28% das intenções de voto. Na sequência, aparece Dr. Furlan, do Cidadania, com 14%. Ele está empatado tecnicamente com Patrícia Ferraz, do Podemos, e Capi, do PSB, que já votaram neste domingo. Cirilo Fernandes (PRTB) teve 10% das intenções de voto, Guarany (PSL), 9%, e Paulo Lemos (PSOL), 7%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.