Reprodução
Reprodução

Datafolha mostra estabilidade em disputa à prefeitura do Rio

Marcelo Crivella (PRB) mantém a dianteira sobre Marcelo Freixo (PSOL) e atinge 46% das intenções de voto, segundo pesquisa

O Estado de S. Paulo

26 Outubro 2016 | 06h59

RIO - O candidato do PRB à prefeitura do Rio, Marcelo Crivella, manteve a dianteira sobre Marcelo Freixo (PSOL) na nova pesquisa DataFolha realizada nesta terça-feira, 25. Ele oscilou para baixo dentro da margem de erro e obteve 46% das intenções de voto, contra 48% da pesquisa anterior.  

Isso o deixa entre 43% e 49% da preferência do eleitorado. Já Marcelo Freixo (PSOL) foi de 25 para 27% - agora, está na margem de 24% a 30%. Votos brancos e nulos somaram 19%, e não souberam responder 8%. Nos votos válidos (considerando apenas quem declarou voto nos dois candidatos), a folga pró-Crivella ficou em 63% a 37% - na sondagem anterior, era 66% a 34%.

 

O quadro de estabilidade, com a redução de apenas quatro pontos na distância entre os dois candidatos a cinco dias do segundo turno, indica que teve efeito limitado a campanha de desconstrução lançada por Freixo contra Crivella, com auxílio de assessores que, como revelou o Estadão, trabalharam para o PSDB e PMDB. A ação tem incluído denúncias contra o candidato do PRB, acusado de ser apoiado por milicianos e de ser preconceituoso contra homossexuais e católicos.

Também parece não terem causado grandes danos a Crivella as informações negativas divulgadas pela imprensa. Elas apontaram que o candidato do PRB foi preso e identificado criminalmente pela Polícia Civil do Rio em 1990, por tentar expulsar violentamente uma família de um terreno da Igreja Universal do Reino de Deus, divulgada pela revista Veja, e que haveria possibilidade de o candidato ser delatado na Lava Jato, segundo o jornal O Globo. 

Crivellla tem acusado Freixo de ter ligações com os black blocs e de defender a liberação das drogas. Também passou a acusar a Veja e as Organizações Globo de tentar derrotá-lo com manipulações e mentiras, o que é rebatido pelos órgãos de imprensa.

O levantamento foi encomendado pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo. Seu nível de confiança é de 95%, ou seja, considerada a margem de erro de três pontos porcentuais para mais ou para menos, a chance de o resultado retratar a realidade é de 95%. Foram entrevistados 1.280 eleitores acima de 16 anos em 25 de outubro. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) sob o protocolo RJ-09035/2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.